Volkswagen aposenta a Kombi

Depois de 56 anos de serviços prestados, montadora deixará de produzir modelo

Pintura em duas cores — a antiga “saia e blusa” — acabamento de luxo e detalhes que remetem às diversas versões produzidas desde 1957 marcarão a Kombi Last Edition. Numeradas e com placa de identificação, 600 unidades vão assinalar o final da produção do veículo que se confunde com a história da indústria automotiva brasileira. A Kombi teve seu fim confirmado esta tarde pela Volkswagen, com o início da venda das edições finais, neste mês, pelo preço sugerido de R$ 85 mil. A Kombi deixará de ser produzida pois a partir de 2014 todos os veículos montados no país deverão ser equipados com airbag e freios com sistema antitravamento das rodas (ABS) e que exigiria praticamente o desenvolvimento de um outro carro.
Leia também:

O adeus da velha senhora

A carroceria, o teto, a grade, os aros dos faróis e as setas da última Kombi são azuis. As colunas, o para-choques, a faixa que acompanha todo o veículo abaixo da linha da cintura, as rodas e as calotas são na cor branca. Pneus com faixa branca completam o toque que remete a nostalgia do modelo. Os vidros são escurecidos e o vigia traseiro tem desembaçador elétrico. As setas dianteiras têm lentes de cristal branco. Nas laterais, os adesivos 56 anos — Kombi Last Edition identificam a série especial.

Detalhes como as cortinas em tear azul nas janelas laterais e no vigia traseiro — as braçadeiras trazem o nome Kombi bordado — são típicos das versões de luxo dos anos 1960 e 1970. Os bancos, forrados em vinil, tem bordas em azul e faixas centrais de duas cores (azul e branca). As laterais e as costas dos assentos têm acabamento em cinza lotus. O revestimento interno das laterais, portas e porta-malas também é em vinil azul com costuras decorativas pespontadas. No painel, a plaqueta de alumínio escovado que identifica a série especial, com o número da unidade.

A Kombi foi projetada pelo holandês Ben Pon na década de 1940, que combinou o confiável conjunto mecânico do Volkswagen Sedan com um veículo de carga leve. Lançada na Alemanha em 1950, o modelo se destacou pela versatilidade, sendo adotada tanto para transporte urbano de carga quanto para levar passageiros. A Kombi marcou o início das atividades da Volkswagen no país, há 60 anos. A montagem começou em 1953, em um galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo e a partir de 2 de setembro de 1957, passou a ser produzida no Brasil, na fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo. A Kombi foi o primeiro veículo fabricado pela Volkswagen do Brasil e o primeiro feito pela empresa fora da Alemanha. O nome Kombi é uma abreviação, adotada no Brasil, para o termo em alemão Kombinationsfahrzeug, que em português significa “veículo combinado” ou “combinação do espaço para carga e passeio”.

Com 1.551.140 unidades produzidas na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) até 31 de julho passado, após 56 anos produção no Brasil, a Kombi tem a história de maior longevidade na indústria automobilística mundial.

(Clicrbs)

Compartilhe: