Vacinas da Gripe A que chegaram ao Estado começam a ser aplicadas

Começou nesta quarta-feira a aplicação de parte das 196 mil doses da vacina da Gripe A que chegaram ao Rio Grande do Sul remanejadas de outros Estados. Em Soledade, no Norte, e em Santa Maria, na região Central, a vacinação iniciou pela manhã.

A aplicação massiva, entretanto, deve iniciar somente nesta quinta-feira, já que grande parte dos lotes está chegando às coordenadorias regionais de saúde na tarde desta quarta. A partir daí, as secretarias municipais começam a fazer a retirada das vacinas e a aplicação na população.

Em Santa Maria, o primeiro dia de vacinação teve movimento considerado tranquilo. No início da semana, a Coordenadoria Regional de Saúde havia repassado ao município 4.378 doses. Outras 3 mil devem chegar até sexta-feira. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, parte das vacinas será destinada à aplicação da segunda dose para crianças menores de 2 anos.

Soledade, no Norte, recebeu autorização da Coordenadoria Regional de Saúde e buscou na terça-feira as 4 mil doses. A aplicação iniciou na manhã desta quarta-feira e ocorre até sexta-feira com prioridade para os grupos de risco. A partir de segunda-feira, caso sobrem doses, a vacina será liberada para o restante da população.

As regiões Norte e Noroeste, onde a Secretaria Estadual de Saúde (SES) acredita que tenha ocorrido a maior circulação do vírus, deverão receber 77.929 doses da vacina. Na maioria dos casos, as datas de vacinação nos municípios ainda não estão definidas.

Em Pelotas, município que estava sem doses há duas semanas, serão 9 mil, repassadas em lotes. O primeiro tem 3.240 doses e estará disponível a partir desta quinta-feira, a partir das 8h, em seis postos de saúde da cidade. Na sexta-feira, também haverá vacinação em 10 postos de saúde da zona rural.

A prioridade é para os grupos de risco – com foco nas gestantes, já que a Secretaria de Saúde estima que cerca de mil delas ainda não se vacinaram – e crianças de dois e três anos. A região Sul receberá 23 mil doses no total.

Até o momento, foram registradas 48 mortes pela doença e 383 casos. Para o infectologista Fábio Lopes Pedro, do Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), o pico da propagação do vírus ocorreu no início de julho. Outro fator que colabora para a diminuição da incidência da doença é a proximidade do fim do inverno, assegura o médico.

Clicrbs

Compartilhe: