Unimed patrocina encontros com juízes

Na última sexta-feira (21), o ministro Gilmar Mendes, do STF presidiu um júri simulado sobre a judicialização da saúde, na Escola Paulista da Magistratura, em São Paulo. O evento foi aberto por dois dirigentes da Unimed – cooperativa de médicos que opera planos de saúde – que patrocina encontros com magistrados para discutir o aumento das ações judiciais na área de saúde.

Em agosto, cerca de cem juízes foram, num final de semana, a um congresso no hotel Casa Grande, no Guarujá. As despesas dos magistrados e dos acompanhantes foram pagas por operadoras de planos. As informações são do jornal Folha de S. Paulo, em matéria assinada pelo jornalista Frederico Vasconcelos.

Segundo o jornalista, “os dois exemplos de lobby revelam a preocupação do setor privado com o aumento de processos e o risco para a saúde financeira do sistema”.

A Unimed fez a “Cartilha de Apoio Médico e Científico ao Judiciário”. No livreto, Caio da Silva Monteiro, diretor da empresa, diz que a intenção “é proteger o Sistema Unimed das liminares que determinam atendimentos sem a contrapartida financeira” e que “existe tendência natural do Judiciário na intenção de proteger o consumidor em detrimento da operadora”.

Em 2010, o CNJ recomendou encontros e convênios para que os juízes recebam apoio técnico ao julgar demandas urgentes relativas à saúde. “Deixamos para o juiz essa imensa responsabilidade, e ele acaba não estando devidamente preparado”, diz Mendes. Em 2011, o ministro Dias Toffoli presidiu o júri simulado feito pela Unimed.

O congresso no Guarujá foi promovido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar, fundado por operadoras de planos. Teve apoio do Tribunal de Justiça de São Paulo. O ministro Marco Aurélio de Mello (STF) foi palestrante. “A não ser o pernoite, nada mais é custeado pelos organizadores”, disse.
O desembargador Ivan Sartori dirigiu um dos painéis. Sua assessoria informou que ele não ficou no hotel.

Alguns juízes que participaram de encontros promovidos pela Escola Paulista da Magistratura em fóruns no interior de São Paulo não sabiam que a Unimed era patrocinadora. Eles entendem como”doutrinação” a tentativa de padronizar decisões na primeira instância.

O CNJ diz que o Judiciário brasileiro acumula 241 mil processos na área – os dados são de 2011).

Espaço Vital

Compartilhe: