Três irmãos que recusaram vacina contra a Covid-19 morrem em intervalo de 8 dias em SC

Segundo a prefeitura de São João do Sul, familiares que também tinham negado a imunização procuraram o posto de saúde após as mortes.

Três irmãos, agricultores, morreram por Covid-19 em um intervalo de oito dias em São João do Sul, no Sul catarinense. Eles não estavam imunizados contra a doença, segundo a prefeitura da cidade. Uma mulher de 53 anos, que era a mais velha, e um homem de 48, o mais novo do trio, morreram no dia 13 de setembro. Nesta terça-feira (21), a outra irmã, uma mulher de 51 anos faleceu. Os três foram sepultados no cemitério do município.

Segundo a secretária de saúde de São João do Sul, Rejane Elíbio de Borba, Valdir, Deneci e Denilde Carboni Pedro, de 48, 51 e 53 anos foram procurados pelas equipes de saúde diversas vezes para serem imunizados contra a doença. A família nega que a pasta tenha entrado em contato.

“Em função disso eles foram contaminados. Os três acabaram internados e os sintomas não pararam de evoluir. Eles foram levados para a UTI e depois intubados. Dois deles morreram no mesmo dia”, disse a secretária.

A última vítima ficou hospitalizada por 21 dias. Ela teve problemas renais e chegou a ser submetida a traqueostomia.

Segundo o cronograma estadual de vacinação, no momento das mortes os irmãos poderiam estar completamente imunizado quando contraíram a doença.

De acordo com a prefeitura, familiares que também tinham negado a imunização, procuraram o posto de saúde após as mortes. Conforme a secretária de saúde, o caso é considerado atípico no município.

Vacinado com as duas doses, Altair Carboni (um dos seis irmãos), de 55 anos, mora no Rio Grande do Sul e disse que em todos os enterros fez apelos para que amigos e parentes tomassem a vacina.

Altair disse que as irmãs tinham diabete e teriam falado que estavam com medo da reação da vacina. Já Valdir, não teria ido se imunizar pois estava trabalhando muito e não teve tempo, de acordo com o irmão.

A mãe e o pai dos irmãos, de 81 e 86 anos, e um irmão mais velho, de 58, também contraíram a doença, mas estavam vacinados e tiveram sintomas mais leves.

Fonte: G1.globo.

Compartilhe: