TAPERA – Grandespe: Condições climáticas favorecem a semeadura do milho

Após sucessivas chuvas e a ocorrência de temperaturas baixas durante o mês de agosto e início de setembro, a segunda semana de setembro inicia-se com tempo seco e temperaturas elevadas. Tais condições favorecem a semeadura da cultura do milho, já que o solo encontra-se em condições adequadas de umidade e temperatura para a semeadura do cereal.

Diferentemente do ano anterior, onde as condições de umidade e temperatura no mês de agosto foram bastante favoráveis para a semeadura do milho, nesta safra a maioria das lavouras começara a ser implantada a partir desta semana. Estima-se que a área implantada em agosto, nesta safra, não ultrapasse 10% da área total de milho prevista para a região. Neste sentido, pode haver algum reflexo negativo na safrinha devido à semeadura do milho de primeira safra em meados de setembro.

Com relação à situação do milho no Rio Grande do Sul, conforme dados da Emater, em sua primeira estimativa de safra de verão 2013/2014, a área de milho deve sofrer uma redução de 2,89% em relação à safra anterior, ou seja, passando para 1.004.728 hectares (2013/2014) ante 1.034.623 hectares (2012/2013). A produção deve totalizar 4.935.315 toneladas, queda de 7,75% ante as 5.349.956 toneladas em 2012/2013.

A principal razão para a diminuição da área de milho no RS são os preços elevados da soja e a queda nos preços do milho. Porém, apesar da cultura do milho caracterizar-se como uma cultura instável em relação a rendimento e rentabilidade e estar mais sujeita aos efeitos negativos do clima em anos de estiagem, na média dos anos a lucratividade do milho é bastante semelhante a da soja. Ou seja, reservar todo o ano uma área para a cultura do milho é primordial para manter a sustentabilidade do sistema produtivo, pois permite ao produtor construir uma média satisfatória de rendimento e lucratividade ao longo das safras, além de ser uma das poucas opções viáveis de rotação de culturas, com benefícios significativos para a soja.

Gustavo A. Stärlick
Engenheiro Agrônomo

Compartilhe: