Se fosse um país, São Paulo teria 36º maior PIB do mundo

São Paulo possui um Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todas as riquezas produzidas no Estado) de cerca de R$ 450 bilhões e se fosse um país seria atualmente a 36ª economia mundial, segundo dados divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) nesta quinta-feira. De acordo com a federação, o a cidade ficaria a frente de países como Portugal, Finlândia e Hong Kong.

Quando comparada aos países da América Latina, a economia paulistana ficou na quinta colocação – mesmo lugar de 2009 -, entretanto se aproximou de Colômbia e Venezuela, quarta e terceira colocadas, respectivamente. O levantamento aponta que o PIB da maior cidade do País representa 70% da economia da Argentina, 85% da Venezuela e 90% da Colômbia.

Já na comparação com os 50 Estados americanos, mais a capital Washington, São Paulo estaria à frente de 31 deles, um ganho de cinco posições frente 2009. Dentro da economia brasileira, o PIB paulistano representa 21% da economia da região Sudeste, 65% da Sul e 87% da Nordeste. O PIB de São Paulo é ainda 27% maior do que o PIB do Centro-Oeste e quase duas vezes e meia o da região Norte. Dentro da economia brasileira, São Paulo representa 12% do PIB nacional.

Segundo a FecomercioSP, os dados são baseados nos números divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010. Diferentemente de cidades brasileiras que concentram suas atividades econômicas em setores como petróleo, comércio exterior, mineração agrícola, entre outros, São Paulo “agrega as mais diversas atividades econômicas, o que reduz o risco para a cidade em casos de turbulências financeiras”, diz a FecomercioSP.

De acordo com a FecomercioSP, no próximo estudo – com dados referentes a 2011 -, São Paulo deverá apresentar melhora no ranking, “porém variando menos que em 2010”.

“Isso por causa do crescimento nacional de 2011 de apenas 2,7%, ou seja, valor inferior aos 7,5% vistos em 2010”, diz a entidade. “A questão cambial também pode contribuir para brecar a variação de 2011, já que o real se valorizou em uma velocidade inferior do que foi visto entre 2009 e 2010.”

Consumo e negócios
Segundo a Fecomercio, as famílias paulistanas gastam, em média por mês, em despesas de consumo “praticamente o mesmo de todas as famílias do Estado carioca e mais de duas vezes o consumo das famílias da região Norte”.
O estudo aponta ainda que São Paulo sedia 38% das 100 maiores empresas privadas de capital nacional, 63% dos grupos internacionais instalados no Brasil e 17 dos 20 maiores bancos. Além disso, aponta que São Paulo também realiza 90 mil eventos por ano, ou um a cada seis minutos.

Terra

Compartilhe: