PASSO FUNDO – Em busca de um centro de referência de diabetes juvenil

3º Acampamento da Criança com Diabetes, realizado de 12 a 15 de novembro, promoveu atividades lúdicas de orientação às crianças e aos pais

Crianças com diabetes, vindas de vários municípios da região, acompanhadas dos pais, estiveram reunidas, entre os dias 12 e 15 de novembro, no Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF). O projeto teve uma extensa programação direcionada especialmente a pais e crianças a fim de orientar, solucionar dúvidas e ainda facilitar a vida de quem precisa conviver com a doença e o uso de insulina. Durante a solenidade oficial de abertura do Acampamento, realizada na sexta-feira (13/11), foi enfatizado uma das grandes metas do projeto, que é a implantação de um centro de referência de atendimento de diabetes juvenil em Passo Fundo.

O acampamento é uma promoção conjunta de Lions Club, UPF, Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) e Grupo Escoteiro Maragatos, com apoio do Ministério Público Federal. Neste ano, o projeto apoiou a 2ª Corrida e Caminhada para vencer o Diabetes, promovida pelo HSVP. O acampamento, que atende crianças de 6 a 12 anos, é uma iniciativa inédita no Brasil. Um dos grandes diferenciais do projeto é a oportunidade de promover qualidade de vida e estímulo ao autocuidado através da troca de experiência entre as crianças e seus pais.

Durante a abertura, a professora da UPF Cristiane Barelli apresentou as atividades realizadas no acampamento e destacou uma das grandes metas do projeto. “Temos uma meta ousada e desejamos que, em dez anos, possamos ter um centro de referência de atendimento de diabetes juvenil em Passo Fundo”, revelou a professora.

A ideia é que esse centro forneça o atendimento ao público-alvo, mas também que seja um espaço de formação. “Hoje, essas crianças não têm um serviço de referência para atendimento, nem na rede pública nem na privada. Além disso, não temos nenhuma instituição de ensino que forneça uma formação integrada, numa perspectiva multiprofissional, que aborde diabetes tipo I, que começa na infância e segue durante toda a vida adulta”, ressaltou Cristiane.

De acordo com a previsão epidemiológica, estima-se que Passo Fundo tenha entre 40 a 60 diabéticos tipo I. “Nós conseguimos localizar vinte. Então, os demais podem estar sem diagnóstico ou estão sendo tratados em outras cidades pela falta de atendimento aqui”, explicou a professora da UPF.

A vice-reitora de Extensão e Assuntos Comunitários da UPF Bernadete Dalmolin destacou, durante a cerimônia, a importância desse projeto. “É um trabalho que integra, de forma sólida, conhecimentos distintos envolvendo pessoas das mais diferentes áreas. É um projeto inovador que rompe uma lógica tradicional no campo da saúde que é pensar pelo viés que fala da defesa e da qualidade da vida independente da situação”, destacou.

Também participaram da mesa de abertura os representantes das seguintes entidades: Deonir de Marco, do Hospital São Vicente de Paulo; Miriam Tombini, do Lions Club Internacional e idealizadora do projeto; Kleber Augusto Martins, do Grupo Escoteiro Maragatos; e Maria Leonora Ribeiro Martins, governadora do Lions Club distrito LD7. O grupo de danças da UPF, ligado à Vice-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, foi o responsável pela apresentação cultural da noite. Ainda durante a solenidade, foi prestada uma homenagem às entidades, aos setores e às empresas que contribuíram para a realização do acampamento.

O acampamento
O Acampamento da Criança com Diabetes reúne crianças com diabetes tipo I, que fazem uso de insulina, residentes em Passo Fundo e região, acompanhadas por um responsável maior de 18 anos. As atividades envolvem os cursos de Agronomia, Artes Visuais, Enfermagem, Farmácia, Medicina, Nutrição, Odontologia e Psicologia, além do curso de Letras, com ações do projeto de extensão Bando de Letras da UPF.

Durante todos os dias da 3ª edição do acampamento, foram desenvolvidas oficinas de lanche, orientações sobre o uso de insulina, brincadeiras, atividades específicas para os pais, discussões sobre a criação da Associação da Criança com Diabetes, orientações sobre uso de chá e temperos, além de caminhada.

(Assessoria de Imprensa da UPF)
Foto: Natália Fávero

Compartilhe: