País pode dobrar produção de soja e se consolidar na liderança mundial

O Brasil tem condições de dobrar a sua produção de soja e se consolidar na liderança do mercado mundial. O prognóstico foi feito pelo presidente reeleito da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Glauber Silveira, durante a solenidade de posse ocorrida em uma churrascaria em Brasília.

Reeleito para mais dois anos de mandato, Glauber Silveira afirma que a perspectiva de utilização das pastagens degradadas, que somam 220 milhões de hectares, farão o Brasil assumir uma colocação confortável que nenhum outro competidor no mercado internacional, como China e Estados Unidos, possui.

“O mercado com demanda mundial por alimentos é crescente e os mercados competidores como China e Estados Unidos não tem mais com crescer. E o Brasil tem essa possibilidade. Temos 220 milhões de hectares de pastagens degradadas. Se vc reverter isso, podemos dobrar a produção brasileira”, projeta.

De acordo com o presidente da Aprosoja, o cenário para o mercado de commodities é muito positivo. Ele lembra que há uma safra norte-americana bem plantada, mas alerta que o Brasil pode viver um cenário muito positivo de rentabilidade com momentos problemáticos.

“É como diz o senador Blairo Maggi, tudo que sobe desce, pode haver oscilações, como quebra de safra em alguma região, pode haver momentos problemáticos de rentabilidade, mas o cenário ainda é positivo”, frisa.

Silveira salienta que o papel da Aprosoja enquanto entidade representativa do setor, continuará sendo o de fazer o produtor crescer de forma viável com segurança jurídica. Ele destaca que a Aprosoja dará apoio muito forte no campo legislativo e também se envolverrá em questões pontuais, como a lei de cultivares da soja e tudo aquilo que impacta na vida do produtor.

“Trabalhamos para que ele possa estar tranquilo em relação ao código florestal, à regulamentação trabalhista, para que não tenha terras desapropriadas por causa de índio, para que ele possa receber uma remuneração justa, para que possa receber os fertilizantes adequados, enfim, para que tenha tranquilidade e segurança para seguir bem na atividade”, conclui.

Olhar Direto

Compartilhe: