Oi, TIM e Claro estão proibidas de vender linhas a partir de 2ª

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou, nesta quarta-feira, a suspensão por tempo indeterminado da venda de novas linhas telefônicas de três companhias de telefonia celular a partir da próxima segunda-feira. A agência proibiu a TIM de vender em 19 Estados, a Oi em 5 Estados e a Claro em 3. A medida também impede portabilidade de clientes às operadoras punidas.

A determinação da Anatel também vale para os modens. As empresas deverão apresentar, nos próximos 30 dias, um plano de investimentos para o setor que contemple a melhora na oferta dos serviços. Se a determinação for desrespeitada, as operadoras pagarão multa de R$ 200 mil por dia. Por ter sido uma determinação da Superintendência de Serviços Privados da Anatel, e não uma decisão conjunta dos conselheiros, as empresas podem recorrer.

Segundo o presidente da agência reguladora, João Rezende, a melhora na qualidade dos serviços vai ser cobrada de todas as empresas de telefonia. “As telefônicas vão ter que melhorar a qualidade da rede, a questão de chamadas que não completam e a diminuição na interrupção dos serviços, principalmente no caso de acesso à internet móvel”, afirmou.

“Acreditamos que é uma solução extrema, mas queremos arrumar o setor, estamos para receber eventos esportivos que vão demandar muito uso das redes. O mercado de telefonia é muito potente, o leilão do 4G mostrou isso, e estamos preocupados”, disse o presidente.

Só haverá uma companhia proibida de vender novas linhas por Estado, segundo o presidente da Anatel. Juntas, as três empresas penalizadas detêm cerca de 70% do mercado de telefonia. A Vivo, companhia com a maior quantidade de clientes, não sofreu sanções.

Confira as proibições por Estado

Claro
– Santa Catarina
– Sergipe
– São Paulo

Oi
– Amazonas
– Amapá
– Mato Grosso do Sul
– Roraima
– Rio Grande do Sul

TIM
– Acre
– Alagoas
– Bahia
– Ceará
– Distrito Federal
– Espírito Santo
– Goiás
– Maranhão
– Minas Gerais
– Mato Grosso
– Pará
– Paraíba
– Pernambuco
– Piauí
– Paraná
– Rio de Janeiro
– Rio Grande do Norte
– Rondônia
– Tocantins

Outro lado
A Oi informou, em nota, que vai manter o diálogo com a agência, mas que a análise da Anatel “não reflete os investimentos maciços realizados em melhorias de rede. O entendimento da Oi é que a análise está defasada em relação à evolução recente percebida na prestação dos serviços”. Segundo a empresa, em todo o Brasil, o investimento é de R$ 6 bilhões neste ano e o plano estratégico de quatro anos da Oi prevê investimentos totais de R$ 24 bilhões, no período de 2012 a 2015.

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) informou que foi “surpreendido” com a medida e que o setor de telecomunicações, junto ao de energia, é o principal investidor em infraestrutura no Brasil. De acordo com nota divulgada pela entidade, “a decisão foi baseada em queixas apresentadas ao Call Center da Anatel, que não revelam as reais condições das redes que suportam os serviços. A Anatel considerou dados dos últimos meses, que não refletem os investimentos realizados pelas prestadoras nesse período”.

O SindiTelebrasil afirma ainda que o setor cobra das autoridades ações para implantação de infraestrutura e cita Porto Alegre como uma das cidades que tem legislação restritiva, “que atrasam a expansão de serviços”. “Mais uma vez, o setor afirma que a suspensão das vendas só traz prejuízos para a população e não resolve os eventuais problemas de qualidade dos sinais de telefonia móvel.”

Terra

Compartilhe: