“O fundo do poço foi superado”, diz Mantega após alta do PIB

A economia brasileira reagiu e cresceu 1,5% no segundo trimestre em comparação ao três meses anteriores, de acordo com dados divulgados no dia 30 de agosto de 2013 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O aumento é o melhor resultado desde o primeiro trimestre de 2010 e superou as expectativas de analistas do mercado financeiro, que projetavam uma expansão de entre 0,8% e 1%.

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o cenário internacional está um pouco melhor e isso ajuda o país. “O pior já passou. O fundo do poço foi superado, não só no Brasil como no mundo como um todo. Daqui para frente é expansão, de modo que possamos retomar nossa trajetória de crescimento dos anos recentes”, afirmou.

Mesmo assim, o ministro frisou que o governo federal está de olho nos acontecimentos dos próximos meses, principalmente por causa da desvalorização do real, que poderá trazer pressão inflacionária — as empresas devem repassar aos consumidores o aumento do dólar, por exemplo, na importação de produtos e insumos para a indústria.

O governo federal tem a expectativa que o crescimento nos próximos trimestres seja estimulado pelos leilões de concessões, ao longo de 2013 e início de 2014, de aeroportos — como o de Confins, em Belo Horizonte (MG), e do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ) –, mais de 7.500 km de rodovias e ferrovias, além de portos. O programa está avaliado em mais de 200 bilhões de dólares.

O crescimento de 1,5% do segundo trimestre, superior ao de 0,6% dos três meses anteriores, ficou à frente, por exemplo, da expansão da zona do euro (0,3%) e de países como Alemanha e Reino Unido (0,7%), França (0,5%), Holanda (-0,2%) e Portugal (1,1%). EUA e Japão tiveram aumento de 0,6%.

“Entre os Brics, ficamos em segundo lugar, somente atrás da China [1,7%], e na frente de África do Sul, Índia e Rússia. Para nós é importante que a economia brasileira esteja crescendo, mesmo que gradualmente, num cenário internacional adverso”, disse Mantega.

Agropecuária e indústria puxam alta

De acordo com analistas, a economia cresceu devido aos estímulos do governo federal a alguns setores e também pelo investimento de empresas por meio do financiamento disponibilizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Numa conferência por telefone com a mídia internacional, Mantega tem a expectativa que a economia cresça 2,5% em 2013.

“Em termos de comparação com os próximos trimestres não acredito que haja um retrocesso da marcha de investimentos, que é o maior dinamizador da economia nos próximos meses, porque as condições que levaram a esse aumento do investimento estão mantidas”, afirmou Mantega. “Acredito que este número mais elevado pode trazer um novo ânimo, pode melhorar as expectativas e desfazer algum mau humor de algum setor em relação à economia brasileira.”

Na opinião de Mantega, o crescimento do consumo das famílias — alta de 0,3% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre — foi mais modesto porque a capacidade de consumo foi comprometida no primeiro semestre de 2013 por causa da alta da inflação e do crédito mais caro para as famílias.

“De qualquer forma, a tendência é que haja uma recuperação do crescimento do consumo das famílias por causa da queda da inflação, com a recuperação do poder aquisitivo e porque a massa salarial, que depende do número de trabalhadores empregados, continua crescendo no país a uma taxa de 2% a 2,5% nos últimos 12 meses”, disse Mantega.

O destaque positivo do segundo trimestre foi a agropecuária, que cresceu 3,9% (9,4% no primeiro trimestre), enquanto o aumento na indústria foi de 2% (-0,2%). Já o setor de serviços subiu 0,8% no segundo trimestre em comparação ao primeiro trimestre do ano, quando cresceu 0,5%. O resultado do trimestre é o melhor desde o primeiro trimestre de 2010, quando houve alta de 2% na fase de retomada da economia mundial após a crise de 2008/2009.

(Deutsche Welle)

Compartilhe: