NÃO-ME-TOQUE – Prisões evitaram mais três assassinatos

Operação Renascer foi conjunta entre delegacias de cinco municípios

Na tarde desta terça-feira (01/10), o delegado da Polícia Civil de Não-Me-Toque Arlindo Círio da Cunha, em entrevista ao vivo à Rádio Ceres, relatou o andamento do inquérito em torno dos últimos assassinatos ocorridos em Não-Me-Toque.

De acordo com as investigações feitas até o momento, um homem, considerado o chefe da quadrilha, é o mandante dos crimes. Segundo o delegado Arlindo, a polícia interveio em outras ações em que mais três pessoas estariam no alvo dos criminosos.

– Outras pessoas deixaram de morrer. Nós interferimos em ações, pois a intenção deles era de matar mais três pessoas – afirmou.

Após dois meses e meio de investigações, a Polícia Civil, com ajuda de familiares dos envolvidos, chegou aos assassinos que foram presos em uma operação policial, denominada “Operação Renascer”, no último dia 13 de setembro. Como já havia sido afirmado pelo delegado de polícia regional Edson Tadeu Cezimbra, o primeiro assassinato que ocorreu dia 15 de junho e o duplo homicídio ocorrido dia 29 de agosto, foram motivados por vingança de familiares de um homem que foi morto há dois anos em Não-Me-Toque.

Prisões ocorreram na madrugada e na manhã do dia 13 de setembro

Em junho de 2011, Idemar Alves (o Ide) foi a primeira vítima. Ide era morador do Bairro Santo Antônio. Segundo o delegado, dois jovens foram os autores do crime e estão presos, aguardando julgamento que poderá ocorrer ainda neste ano.

Inconformados com o crime, familiares da vítima resolveram fazer justiça com as próprias mãos. No dia 15 de junho de 2013, outro homem foi executado no Bairro Santo Antônio, com seis tiros, sendo um deles na cabeça. De acordo com o delegado, o segundo assassinato ocorreu em um dia de pouca movimentação policial, pois se tratava de um sábado à tarde.

– Foi um dia escolhido, em que dois indivíduos, covardemente efetuaram seis disparos com uma arma, calibre 38, atingindo a cabeça da vítima.

Já no dia 29 de agosto, um fato assustou a comunidade não-me-toquense e repercutiu a nível estadual. Um duplo homicídio foi registrado as margens na ERS 142, proximidades do trevo de saída a Carazinho. De acordo com o delegado, os assassinos atraíram as vitimas até o local do crime, para vender armas. Quando chegaram ao local, foram mortos a tiros.

Delegado Arlindo Círio da Cunha vai revelar os nomes do presos após conclusão do inquérito. Ainda pode ocorrer mais prisões

– O executor do duplo homicídio esteve na noite anterior na casa de uma das vítimas, o Vantuir Barbosa. Ele estava com um veículo Ford Focus, de cor prata, que havia sido roubado há 10 dias, em Passo Fundo. O veículo estava com a placa adulterada, com fita isolante alterando as letras.

No último dia 13 de setembro de 2013, o desfecho dos fatos. Em operação conjunto da Polícia Civil e Brigada Militar de Não-Me-Toque, Passo Fundo e Nova Bassano, os policiais prenderam sete pessoas suspeitas dos assassinatos. Dois homens foram detidos por agentes da Defrec em Passo Fundo, um terceiro envolvido foi preso em Carazinho com o apoio da Polícia Civil daquele município. Outros dois foram presos em Não-Me-Toque e o último, em Guaporé.

Conforme relatado em entrevista, o delegado afirmou que os sete suspeitos estão presos e todos têm alguma participação nos assassinatos.

– Quando o inquérito estiver concluído, falarei o nome dos envolvidos para conhecimento da comunidade. Outras pessoas ainda poderão ser presas – conclui o delegado Arlindo Cirio da Cunha.

(Texto Rádio Ceres e fotos Jornal Folha do Sul)

Compartilhe: