NÃO-ME-TOQUE – Expodireto volta seu olhar a Conservação do Solo e da Água

A Expodireto Cotrijal é reconhecida mundialmente por apresentar o que há de mais novo e moderno para o setor agropecuário, porém o sonho de todo agricultor de aumentar produtividade, produção e rentabilidade agrícola requer superar desafios.

O principal deles no Rio Grande do Sul é implementar uma agricultura conservacionista, com práticas eficazes na infiltração de água no solo, redução de defensivos agrícolas, disponibilidade de assistência técnica e extensão rural e social (Aters) voltada ao uso, manejo e conservação do solo e água e na educação das futuras gerações.

Para tratar sobre o assunto, aconteceu na terça-feira (8), o Fórum Estadual de Conservação do Solo e da Água, com a participação da Prefeita Teodora Lütkemeyer; Nei César Mânica, Presidente da Cotrijal; Ernani Polo, Secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação; Francisco Turra, Ex-ministro da Agricultura, Tiago Modesto Carneiro Costa do Tribunal de Contas da União e do Engenheiro Agrônomo Edemar Valdir Streck da Emater/RS-Ascar.

O Programa Estadual de Conservação do Solo e da Água foi discutido durante o fórum, sendo que o mesmo atua em pelo menos três frentes: adoção de uma Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (ATERS) em Uso, Manejo e Conservação do Solo e da Água; Programa de Reserva e Armazenagem de Água; e Programa de Apoio ao Ensino de Solo e de Água na Escola.

Agravantes como a falta d’agua, erosão do solo compactado, ocupação de áreas sem aptidão agrícola, semeadura no sentido do declive do terreno, pastejo excessivo do gado em áreas integradas com lavoura, baixa cobertura do solo por resíduos culturais após a colheita da soja, uso abusivo de inseticidas e herbicidas são os principais agravantes discutidos no encontro.

O encontro voltou seus esforços para melhorar as relações produtivas, sociais e ambientais aumentando assim a produtividade agrícola do Rio Grande do Sul, recuperando assim a capacidade de infiltração e armazenagem de água nos solos agrícolas, reduzindo também a erosão e o risco de tornar áreas improdutivas com o decorrer do tempo, acarretando em prejuízos ao produtor.

(Assessoria de Comunicação Prefeitura Municipal de Não Me Toque)

Compartilhe: