NÃO-ME-TOQUE – Emater analisa produção leiteira em reunião técnica

A Emater de Não-Me-Toque proporcionou aos produtores de leite a reunião técnica com palestras sobre a bovinocultura de leite realizada no auditório da Câmara de Vereadores na quinta-feira (12). As apresentações dos painéis ocorram durante todo o dia proporcionando conhecimento das pesquisas no setor, custos, estratégias, licenciamento, legalidade, manejo, sucessão familiar e qualidade na produção de leite.

Na abertura estiveram presentes a vice-prefeita Teodora Lütkemeyer, o vereador Everaldo Quadros de Moura representando a Câmara de Vereadores, o supervisor da Emater Rudimar Petter e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Pedro Paulo Nienow.

– Recursos vindos da Consulta Popular estarão à disposição na região para pesquisa e iniciativas desta envergadura – lembrou Teodora.

Apoiaram o evento Prefeitura de Não-Me-Toque, Câmara de Vereadores, Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, IVZ, Corsan, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Cotrijal. Pela manhã ocorreu apresentação do diagnóstico da pecuária leiteira no município de Fortaleza dos Valos, com a médica veterinária Kátia Boeira.

O tema “Perdas Invisíveis na Atividade Leiteira” foi abordado pelo técnico agrícola e especialista em bovinocultura Fábio Guilhermino. Na parceria Emater e prefeitura de Fortaleza dos Valos foram apresentados dois temas: “Produzir Leite Recuperando e Preservando o Ambiente” e a experiência na produção de leite na propriedade de Nereu Weber, em Fortaleza dos Valos.

– A Emater é uma parceria na busca de mais renda visando às melhorias na agricultura familiar – ressaltou Pedro P. Nienow

À tarde, os painéis continuaram com a médica veterinária Ketty Mazzutti, da Inspetoria Veterinária e Zootécnica IVZ de NMT, que apresentou as vigências e obrigatoriedades na defesa sanitária animal. A engenheira agrônoma Ana Clara Vian analisou o manejo e a adubação de pastagens.

– A produção de leite pode ter expansão porque não importa o tamanho da propriedade. O pequeno agricultor que investir no leite, ao longo do tempo, consegue obter lucro – comentou Fábio Guilhermino palestrante do evento.

Segundo a médica veterinária Kátia Boeira, que trabalha para Prefeitura de Fortaleza dos Valos, o interesse do produtor na produção do leite varia por causa do retorno a curto prazo, se comparado à produção de alimentos como a soja. A desvantagem é que a bovinocultura exige bastante trabalho, com cuidados diários e emprego de mão de obra familiar quando a produção é pequena.

(Jornal A Folha do Sul)

Compartilhe: