NÃO-ME-TOQUE – Crise financeira do Estado afeta Hosptial Notre Dame Júlia Billiart

Postado em 03 março 2016 17:02 por jeacontece
15.292.411/0001-75

A severa crise enfrentada pelo Estado está repercutindo nos atendimentos prestados pelo Hospital Notre Dame Júlia Billiart. Após recorrer a rede bancária a fim de poder receber os valores pendentes do Estado no mês de novembro de 2015, novamente o Estado não cumpre o calendário de pagamento e atrasa os pagamentos para os Hospitais.

Sem receber do Estado os meses de dezembro e janeiro, o Hospital Notre Dame Júlia Billiart, está atrasando o pagamento dos profissionais médicos que prestam serviço na Urgência e Emergência. “Sem poder pagar os profissionais que atendem a população e cobrir os demais gastos que temos com o serviço de urgência 24 horas, a continuidade dos atendimentos está comprometida. Caso não haja alteração deste quadro, não podemos garantir a manutenção das portas da urgência abertas” – informa o Coordenador Administrativo Hospitalar do Hospital Notre Dame Júlia Billiart, de Não-Me-Toque, Daniel Griep.

Afim de tentar mudar este quadro, o Hospital mobilizou-se na última semana para a entrega de documentação do resultado da pesquisa elaboradora pela Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos analisando o ano de 2015 e dando perspectivas para 2016. Lideranças políticas na área de atuação do hospital, nos municípios de Não-Me-Toque, Victor Graeff e Lagoa dos Três Cantos, equipes gestoras da instituição, Conselho Municipal de Saúde, Ministério Público e o Judiciário também receberam o documento. Em Não-Me-Toque, a entrega foi realizada na manhã de 29 de fevereiro, a Prefeita Municipal Teodora Lütkemeyer, durante a reunião semanal dos secretários.

Os dados apresentados no documento, apresentam que no ano passado, o quadro de funcionários nas instituições hospitalares, reduziu 6% (4.000 demissões). 60% das instituições continuam com honorários médicos atrasados, 17% não conseguiram cumprir com o total dos salários de novembro e dezembro e 35% devem FGTS, INSS e IR. As dívidas acumuladas pelos hospitais alcança um valor histórico: R$ 1,4 bilhões.

Na estrutura e no atendimento, a rede que é responsável por mais de 70% do atendimento SUS no Estado, reduziu em 15% o número de procedimentos ambulatoriais. Em relação aos leitos, a redução alcançou 14%, salienta-se que essa rede é detentora de 66,6% dos leitos SUS no Rio Grande do Sul.

A conclusão do estudo, é que para 2016, não se tem nenhuma expectativa de novos recursos tanto por parte da União quanto do Governo do Estado. A perspectiva é brutal: a redução nos atendimentos continuará, segundo dados da pesquisa, mais de 150 mil atendimentos ambulatoriais deixarão de ser feitos, há projeção de redução de 19% dos leitos e 60% dos hospitais afirmam que será impossível manter o quadro atual de funcionários. Este é o quadro do Hospital Notre Dame Julia Billiart e dos demais 244 hospitais filantrópicos do RS.

(Patrícia Lawall – Assessora de Comunicação Hospital Notre Dame Júlia Billiart)

Postado em 03 março 2016 17:02 por jeacontece
15.292.411/0001-75

NOTÍCIAS RELACIONADAS


Desenvolvido com 💜 por Life is a Loop