NÃO-ME-TOQUE – Cotrijal alerta para incidência de pragas nas culturas de inverno

O grande potencial produtivo dos cereais de inverno no Rio Grande do Sul esbarra em pequenos, mas significativos obstáculos: as pragas. Com a conclusão dos trabalhos de plantio das culturas de inverno na região, o sinal de alerta tende a ficar mais intenso com a variação climática e o desenvolvimento das culturas.

Segundo o coordenador Técnico da Cotrijal, Fernando Geraldo Martins, as variações de temperaturas fazem com que os insetos tenham maior ou menor grau de reprodução. “Temos que ter atenção redobrada com duas espécies, corós e pulgões, insetos que quando não manejados de forma correta, causam danos no potencial produtivo das plantas”, explica.

No caso dos corós, Martins chama a atenção para a localização da praga, que geralmente é encontrada na base das plantas e acaba danificando o sistema radicular. “O combate dessa praga inicia com um bom tratamento de sementes e com um monitoramento frequente nas lavouras”.

Para os pulgões a orientação pode variar de acordo com o clima. Segundo o coordenador, o residual dos produtos utilizados no tratamento de sementes tem proteção a partir do plantio, o que significa que em anos chuvosos o produto tende a se dissolver com mais rapidez e perde a longevidade de controle. “O atual cenário de chuvas frequentes é propício para o desenvolvimento de pulgões, que vão se localizar na base da planta e rente ao solo, o que dificulta o controle com inseticidas”, comenta Martins que também alerta que o importante é evitar os danos dessa praga. “Ou o eliminamos antes dele infectar as plantas ou vamos matar o inseto, mas não evitar a contaminação “.

Uma pastagem de aveia infestada de pulgões é a eminência de lavouras de trigo e cevada com a presença da praga. Para Fernando Geraldo Martins essa afirmação pode auxiliar muitos agricultores a identificar o problema com antecedência e realizar o controle. “Seria importante a realização de um tratamento de sementes em aveia, assim seria menor a população do inseto na cultura principal (trigo e cevada), o que deixará mais fácil o controle. As aveias são proliferadoras do pulgão, que ao contaminar as plantas como o Vírus do Nanismo Amarelo (VNAC), também o transmitirá para a cultura principal”, revela Martins que alerta que uma planta infectada ter á aspecto avermelhado e morte da área foliar. “A contaminação da virose acontece entre 24 e 72 horas”.

Alertas de inverno
Percevejos são pragas que estão se proliferando em todas as culturas. Segundo o Departamento Técnico da Cotrijal, o controle dessa praga deve seguir as mesmas orientações utilizadas para combater o pulgão.

Outro alerta é em função de revoadas e coletas de mariposas em armadilhas. Fernando Geraldo Martins revela que em 2013 foi verificado muitas áreas com danos causados pela lagarta Helicoverpa armigera em culturas de inverno. “Esse movimento de mariposas nos mostram que poderemos ter a presença da lagarta na fase final de desenvolvimento das culturas de inverno. Fica o alerta”.

(Assessoria de Comunicação da Cotrijal)

Compartilhe: