NÃO-ME-TOQUE – Casos de dengue continuam aumentando em todo Estado

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS) por meio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS/RS) registrou até a Semana Epidemiológica (SE) nº 48, 3.870 casos suspeitos de Dengue, dos quais 1.283 foram confirmados.

Dentre os confirmados, 244 (19%) são importados (contraídos fora do Estado) e 1.039 (80,9%) são autóctones (contraídos no RS). O sorotipo circulante nesses locais é o DENV1, considerando que foi esse o tipo de vírus identificado, até o momento, em alguns pacientes reagentes, nos quais foi possível realizar isolamento viral.

Mortes por dengue
O Estado registrou em 2015 as duas primeiras mortes por dengue da história: o primeiro caso aconteceu em março, em Santo Ângelo, sendo a vítima uma mulher de 41 anos. A segunda morte foi em abril, em Panambi, uma mulher de 53 anos.

Perigo Local, é hora de agir!
O aumento de focos do mosquito é uma realidade local. Em Não-Me-Toque foram encontrados em novembro 392 focos, porém com a descoberta de novos focos, o número elevou-se para 445 focos do mosquito transmissor até o momento.
Esta infestação é preocupante, pois mostra que existe descaso por parte da população em auxiliar na prevenção. Apesar de não apresentar nenhum caso, o Município está infestado pelo mosquito AEDES AEGYPTI transmissor da Dengue, Chikungunia e Zika Virus, que em um ciclo de vida de 30 dias pode contaminar até 300 pessoas e percorrer longas distâncias, o que aumenta ainda mais o risco de contaminação por municípios vizinhos, como Carazinho e Ibirubá que já apresentaram casos autóctones de Dengue.

A regra básica é: não deixar água parada em qualquer tipo de recipiente!
Como a proliferação do mosquito da dengue é rápida, além das iniciativas governamentais é importantíssimo que a população também colabore para interromper o ciclo de transmissão e contaminação. A dica é manter recipientes como caixas d’agua, barris, tambores, tanques e cisternas devidamente fechados e não deixar água parada em locais como: vidros, potes, pratos, vasos de plantas ou flores, garrafas, latas, pneus, panelas, calhas de telhado e demais recipientes que possam armazenar água e acabarem virando criadouros do mosquito!

Faça sua parte, vamos acabar com o AEDES AEGYPTI!

(Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Não-Me-Toque)

Compartilhe: