Inscrições para viagem sem volta de Marte encerram dia 31

Trocar o bucólico distrito de São Pedro da Serra, na região serrana do Rio, por uma viagem sem volta a Marte. Este é o sonho do jornalista e pousadeiro João Carlos Leal, 52 anos, um dos primeiros brasileiros inscritos no projeto Mars One, que pretende colonizar o Planeta Vermelho a partir de 2023. Idealizada pelo cientista holandês Bas Lansdorp, a ambiciosa missão está orçada em US$ 6 bilhões e já atraiu mais de 100 mil inscritos dos quatro cantos do mundo. Todos querem estar entre os 24 selecionados para a aventura marciana e serem os primeiros habitantes do lugar inóspito. E ainda dá tempo para se inscrever: o prazo acaba no sábado.

O site oficial do Mars One recebeu inscrições de mais de 120 países, como Brasil, Estados Unidos, Canadá, México, Argentina, China e Rússia. “Até o último dia 18, o número de brasileiros que conseguiram passar na primeira fase e tiveram suas inscrições aceitas era de 27, terceiro lugar na América, perdendo apenas do México. Os Estados Unidos continuam liderando folgado. Dos 1.300 aprovados na primeira fase, eles representam mais de um terço”, afirma João Carlos, que em maio passado recebeu e-mail do projeto com a aceitação de sua ficha.
saiba mais
Apaixonado desde criança por missões espaciais, o pousadeiro teve alguns problemas familiares ao se inscrever no ousado projeto, cuja viagem levará sete meses, segundo o site oficial.

“Primeiro minha mulher e meu filho acharam legal a minha disposição por tornar realidade um sonho. Há anos eles me ouvem falar de viagens espaciais ou de livros e contos que vivo burilando no computador sobre o tema. Naquele momento, ambos até me ajudaram, divulgando o meu endereço no Mars One para amigos. Depois, quando as primeiras notícias saíram e eles sentiram que a coisa toda podia se tornar real, os dois recuaram. Meu filho de 12 anos ficou um pouco assustado com a fama repentina na escola – nessa idade não é um bom negócio se destacar como ‘esquisito’, ou filho de um ‘esquisito’. Minha mulher só teve uma crise depois que uma amiga fez um comentário sobre se eu estaria querendo deixá-la e ficamos umas boas semanas debatendo a relação. Agora, eu, Lucas e Elaine estamos numa fase de calmaria”, diz Leal, que já está sendo chamado de marciano pelas ruas do distrito, situado a uma hora de Nova Friburgo.

Caso seja selecionado pelo Mars One, terá 62 anos ao pousar em Marte, idade considerada ideal por ele. “Acho que a missão deveria enviar primeiro os voluntários mais velhos. Quando a base estivesse estruturada, aí sim os jovens poderiam ser levados para iniciar uma colônia e formarem família”, argumenta.
Vale destacar que, desde maio, Leal pede apoio à sua candidatura através do Facebook e e-mail. Isso porque uma das etapas de seleção do projeto levará em conta a opinião do público. Quem quiser mandar o pousadeiro para o espaço precisa entrar no seu perfil no site do Mars One e clicar na quinta estrela (a última da esquerda para a direita). “Isso me dará visibilidade e boa avaliação”, diz ele.

Futuros astronautas serão escolhidos em 4 etapas
As inscrições para disputar uma vaga no projeto Mars One foram abertas em abril deste ano e se encerram no dia 31 de agosto. Os interessados devem ser maiores de 18 anos e precisam pagar uma taxa de inscrição que varia de acordo com o país de origem. É preciso preencher um formulário, enviar o currículo e um vídeo de apresentação para o site oficial.

A seleção dos futuros astronautas será feita em quatro etapas, sendo que a primeira é a confirmação da inscrição com base no material enviado pelo candidato. A próxima fase começa em setembro e vem sendo aguardada com expectativa por João e sua família. “Estamos todos esperando para ver no que vai dar”, diz ele, atualmente de férias com a mulher no sul da Bahia.

Em artigo no site do projeto, seu idealizador resume a proposta da expedição. “O Mars One é uma missão representando toda a humanidade e seu verdadeiro espírito será justificado apenas se pessoas de todo o mundo estiverem representadas. Eu me orgulho de ver exatamente isso acontecendo”, afirmou Lansdorp.

Compartilhe: