Ibirubá realiza censo vacinal da febre amarela no interior

Postado em 22 julho 2019 10:08 por JEAcontece
15.292.411/0001-75

A Secretaria de Saúde de Ibirubá através da Vigilância Epidemiológica/Setor de Imunizações comunica que durante este mês de julho, as agentes comunitárias de saúde estarão realizando o CENSO vacinal de febre amarela na população do Interior do município. É preciso que todas as pessoas que residem na zona rural tenham em mãos as carteiras de vacinação para facilitar os registros do censo. A população alvo do Censo de Vacinação são todas as pessoas com idade superior de 9 meses.

Ainda conforme informações da Secretaria de Saúde, a população que não tiver a comprovação da dose da vacina contra a febre amarela deverá comparecer a uma das salas de vacinas do município no horário de funcionamento da Unidade Básica de Saúde para receber a dose da vacina e atualizar a carteira. “Neste Censo visamos intensificar a cobertura vacinal contra a febre amarela, tendo em vista casos de mortes em estados vizinhos; por isso a grande importância da vacinação na população do interior neste primeiro momento, por se tratar de áreas de matas fechadas, lugar onde pode ter circulação do vírus em animais silvestres.”

O que é a febre amarela?

É uma grave doença transmitida por certas espécies de mosquitos. O vírus responsável pelo problema atinge principalmente o fígado e causa febre, dor de cabeça e pele amarelada, entre outros sintomas. Em casos graves, ela pode matar – daí a importância da vacina.

Como a febre amarela é transmitida?

Macacos infectados passam o vírus para os insetos ao serem picados. Então os mosquitos podem atacar um ser humano que está passando por alguma região de mata ou próxima a ela. Hoje em dia, os mosquitos que disseminam a febre amarela são dos gêneros Haemagogus e Sabethes.

Portanto, não há qualquer razão para matar macacos, como já aconteceu no nosso país. Eles não transmitem a doença para a gente (e a morte deles em decorrência da febre amarela serve como um primeiro sinal de alerta para as autoridades, que então conseguem bloquear surtos).

Um adendo: o Aedes aegypti, comum em áreas urbanas, também pode transmitir o vírus por trás dessa enfermidade. Porém, isso não acontece desde 1942 – em grande parte por causa das campanhas de vacinação.

Esse, aliás, é o grande medo dos especialistas: um ciclo de transmissão urbano da febre amarela tem potencial para explodir o número de casos e de óbitos.

Quais são os sintomas?
Dor de cabeça
Febre
Dor no corpo
Icterícia (condição que deixa os olhos, pele e mucosas num tom amarelado)
Comprometimento do fígado
Num quadro mais brando, os sinais vão durar de sete a dez dias. Em situações graves, a doença causa insuficiência hepática e renal e o paciente precisa ser levado para a UTI – aí, os sintomas permanecem entre duas e quatro semanas.

Como funciona o diagnóstico?
O médico acusa a presença da febre amarela e inicia o tratamento a partir dos sintomas do paciente. No entanto, às vezes é necessário um exame de sangue para confirmar o diagnóstico.

Tem tratamento?
Não existe um remédio aprovado para eliminar o vírus especificamente. O que se faz é lidar com os sintomas e, caso a situação se agrave internar o paciente na UTI. Tudo para que o próprio corpo reaja e enfrente a infecção.

E a vacina contra febre amarela? Saiba quem deve tomar
A melhor maneira de se prevenir contra a febre amarela é a vacinação. Seu nível de eficácia está entre 95% e 98%.

Segundo o Ministério da Saúde, uma dose é suficiente para a vida toda – isso não vale para a versão fracionada, que foi distribuída em 2018 em certas regiões do Brasil.

O imunizante está disponível na rede pública de saúde e, em geral, é liberado dos 9 meses de idade até os 60 anos.

Devido aos surtos de febre amarela em 2018, o Ministério da Saúde declarou que residentes de todas as regiões brasileiras deveriam se vacinar, desde que não possuam contraindicações. O recado vale especialmente para quem mora ou vai viajar a áreas com número expressivo de casos.

Mas quem não pode tomar a vacina? As contraindicações são restritas a sujeitos com alergia grave a ovo ou algum problema descontrolado que afete a imunidade, a exemplo da AIDS.

Medicações que abalam nosso sistema de defesa contra infecções também limitam o uso da vacina. É o caso da quimioterapia contra o câncer, por exemplo.

Além disso, idosos e gestantes devem ter atenção redobrada. Eles não estão proibidos de tomar a injeção, porém merecem considerar alguns pontos e, de preferência, conversar com o profissional de saúde.

No mais, medidas como usar roupas compridas, passar repelente e instalar telas nas portas e janelas também são bem-vindas para afastar o risco da febre amarela.

Secretária de Saúde Ibirubá

Postado em 22 julho 2019 10:08 por JEAcontece
15.292.411/0001-75
TAPERA TEMPO

Desenvolvido com 💜 por Life is a Loop