Homem rouba cálice de ouro de paróquia, mas se arrepende e devolve com uma carta

Este homem roubou um cálice de ouro de uma paróquia, mas quatorze dias depois se arrependeu e devolveu ao sacerdote com uma carta que dizia: “Padre, sinto muito. Estou arrependido”.

O fato ocorreu em 20 de setembro, quando um homem entrou na paróquia São João XXIII em El Callao (Peru) ao meio-dia. As câmeras de segurança conseguiram captar quando ele entrou na sacristia e roubou o cálice.

Na ocasião, o pároco Jorge Eduardo Ramirez Rodríguez compartilhou na página da igreja no Facebook um texto com algumas imagens e disse que rezava pela “pronta conversão desta pessoa, não sei o que motivou esse roubo, pois é um ato de sacrilégio, espero que reflita e possa devolver este adorno litúrgico”.

Quatorze dias depois o homem devolveu o objeto com uma carta de arrependimento.

O post diz: “Bom dia no Senhor:

Não queríamos tomar esta medida, mas as autoridades correspondentes e os meus paroquianos recomendaram que o fizesse.

No dia 20 de setembro de 2021, por volta das 12h30, um indivíduo de aparência robusta, do sexo masculino, com cerca de 38 a 45 anos, como podem ver nas fotos, entra pela porta principal de Nossa Paróquia, aparentemente queria entrou na secretaria, mas aproveitando o fato do Templo estar aberto, se dirigiu à Casa Paroquial. Por todo o lado e entrando no Templo, pudemos ver pelas câmaras, que estava em movimento de oração, ajoelhando-se perto da sacristia, depois entrou na sacristia em 2 ocasiões, a terceira vez, aproveitando que o cálice estava pronto para a missa, entrou e roubou um cálice de prata, folheado a ouro, saindo pela porta do templo escondendo o cálice em seu suéter.

Rezo pela pronta conversão desta pessoa, não sei o que motivou esse roubo, pois é um ato de sacrilégio, espero que reflita e possa devolver este adorno litúrgico. Esta é a quarta vez que minha paróquia é roubada em menos de um ano.”

O padre contou à mídia local que na sexta-feira, 8 de outubro, um funcionário da paróquia lhe entregou uma sacola de papel, que minutos antes havia recebido por delivery. O padre achou que fosse um café da manhã, por isso não deu muito atenção ao seu conteúdo, até que decidiu guardar a suposta comida na geladeira.

No entanto, ao abrir a sacola, ele encontrou o cálice com uma nota dobrada. A carta dizia: “Padre, sinto muito. Estou arrependido. Eu tenho uma filha e eu precisava. Por favor, não quero deixá-la sozinha. Não me denuncie. Perdoe-me, peço-lhe de joelhos. Deus me perdoe. Tenha compaixão. Minha filha viu tudo e me pediu para parar”.

Fonte: ChurchPop

 

Compartilhe: