Homem morre após percorrer mais de 900 quilômetros em busca de tratamento médico

Um homem de 48 anos morreu após percorrer mais 900 quilômetros entre quatro cidades gaúchas em busca de atendimento médico pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Almedorino Élcio da Silva sofreu uma lesão na perna e, mesmo tendo feito uma peregrinação pelo Estado, morreu durante cirurgia de amputação nesta quarta-feira, em Cachoeira do Sul, no Vale do Rio Pardo.

Silva teria tido complicações após ter caído e batido contra uma pedra, o que gerou uma hemorragia. Ele foi atendido em Encruzilhada do Sul, no Vale do Rio Pardo, onde morava, mas precisou ser transferido para o Hospital Universitário de Bagé, na região da Campanha, para receber o tratamento.

Em Bagé, a hemorragia foi contida, mas foi diagnosticada uma insuficiência renal aguda que o hospital não tinha condições de tratar. Então ele voltou para Encruzilhada. Com o quadro agravado, o paciente foi levado para Cachoeira do Sul. De lá, ele teve que ser encaminhado para exames em Santa Cruz do Sul e o resultado foi a necessidade de cirurgia. Para isso, voltou a Cachoeira do Sul.

Durante a cirurgia no Hospital de Caridade e Beneficência, realizada na quarta-feira, Almedorino Élcio da Silva acabou morrendo por causa de complicações no procedimento.

O que diz a Secretaria de Saúde

A Secretaria Estadual da Saúde informa que o paciente Almedorino Élcio da Silva estava até a última quinta-feira (06) tendo sua situação acompanhada pela Central Estadual de Regulação de Leitos. Na oportunidade, ele estava internado no Hospital da Urcamp em Bagé, onde havia recebido os atendimentos de urgência na Unidade de Tratamento Intensivo, até a estabilização de sua saúde. O paciente passou então a aguardar encaminhamento para um procedimento complementar de cirurgia vascular.

A partir desse momento o pedido por cirurgia vascular foi suspenso, já que ele não se encontrava mais internado. O paciente dirigiu-se então até Cachoeira do Sul, onde foi atendido para outros fins e não foi feito novo cadastro do mesmo para o o procedimento cirúrgico. Caso o hospital onde ele está ou a Secretaria Municipal de Saúde volte a fazer o pedido de leito, o caso voltará a ser regulado pelo Estado.

Clicrbs

Compartilhe: