“Estou com medo de represálias”, diz torcedor que denunciou Grêmio

Acostumado a ir ao estádio Olímpico desde os sete anos de idade o bancário e torcedor gremista Rodrigo Gomes, 40 anos, autor do vídeo que denunciou a entrada de torcedores sem ingresso na partida entre Grêmio e Santos e com identificação de um candidato a vereador de Porto Alegre, está repensando em continuar frequentando as arquibancadas do Estádio Olímpico. Em entrevista ao Terra, Rodrigo explicou o que o motivou a fazer a denuncia por vídeo.

“O meu sogro que é sócio e está em dia com o clube não conseguiu comprar ingresso, tive que deixar ele em um bar perto do estádio para assistir o jogo. Eu olhando aquilo, torcedores sem ingresso entrando, eu fiquei mordido, perguntei para o segurança se eles iriam liberar de graça e ele mandou eu sumir e disse que foi o Odone (presidente do Grêmio) que mandou liberar, me chamou de bunda mole e mandou eu entrar. Eu peguei minha carteira de sócio, mostrei e comecei a filmar. Fiquei até com medo que me roubassem o celular”, disse o torcedor gremista.

Assustado com toda a repercussão que o vídeo causou Rodrigo Gomes admitiu que está com medo de represálias e não pretende retornar tão cedo ao Estádio Olímpico. “Eu estou repensando, estou com medo de represálias, eu sei como funcionam estas coisas. Eu vou votar via correspondência para não ter que ir ao Olímpico (a eleição para eleger o novo presidente do Grêmio acontece no dia 20 de outubro). Eu me senti lesado em ver meu sogro, que é sócio, está em dia e não conseguiu comprar ingresso e ver uns caras que se encostam no clube se beneficiando”, destacou Rodrigo Gomes.

No borderô enviado pelo Grêmio a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) estava acrescentado a caneta o número de aproximadamente 200 ingressos que foram destinados ao candidato a vereador Brasinha. Informação confirmada pelo presidente da FGF, Francisco Noveletto. A direção gremista está investigando o caso. O TRE-RS recebeu uma denuncia anônima contra o vereador envolvido e também vai investigar se houve ou não compra de voto em troca de ingressos.

Terra

Compartilhe: