ESPUMOSO – Mais de 250 produtores presentes no Seminário de Produção Leiteira da Cotriel

Quinta-feira, 05, no Clube União de Alto Alegre, a Cotriel , com o apoio das empresas ABS, Agener União, Bayer Saúde Animal, Cooperativa Santa Clara, Grasp, Minerphos, Nutrifarma, Nutron, Ouro Fino, Promilk, Real H, Resolpec e Sicredi, realizou mais um Seminário de Produção Leiteira. O evento, contou com a presença de mais de 250 produtores de várias partes da região, estudantes e demais interessados discutiu assuntos de relevância da bacia leiteira. Na abertura, o presidente da Cotriel, Leocezar Nicolini ressaltou que, apesar das dificuldades enfrentadas em outros tempos, a produtividade do leite na área de abrangência da Cooperativa aumentou devido aos investimentos e a busca de conhecimento por parte dos produtores: “Ele se manteve na atividade porque se profissionalizou e, acima de tudo, transformou a bacia leiteira em um negócio responsável Temos de ser eficientes e produzir um alimento com qualidade, pois quem permanecer na atividade vai ganhar ter renda e esperamos que cada um saia daqui com um pouco mais de conhecimento e possa aplicar o que aprendeu no seu dia-a-dia”, lembrou o presidente.

Nutrição de vacas de leite e impactos na reprodução

A primeira palestra do dia foi com o gerente de produtos da Nutron Alimentos, Geraldo Filgueiras, de Minas Gerais, que abordou o tema da nutrição e impactos da reprodução dos animais de leite. Ele salientou que “a vaca mudou” e os conhecimentos de manejo também precisam evoluir junto. “O trinômio manejo, sanidade e nutrição precisa ser atendido pelo produtor. Se não conseguirmos uma nutrição bem feita principalmente após o parto no início da lactação, dificilmente teremos bons resultados na reprodução, mesmo correndo contra o tempo ao querer acelerar este ciclo, o qual temos de estabelecer um prazo de inseminar todos o rebanho até 90 dias após o parto. Um animal mal alimentado está emagrecendo e, certamente, não vai ter reprodução em tempo adequado”, finalizou.

Influência no melhoramento genético na produção de leite

A segunda palestra do dia foi centrada no tema da melhoria da genética visando produzir leite, com o médico veterinário da Cooperativa Santa Clara, de Carlos Barbosa, Victor Hugo Pereira. Ele ponderou que o investimento em genética tem um custo muito baixo em relação ao impacto que tem na produção de leite, ou seja, escolher sêmen pelo preço não é o mais adequado, e deve-se dar preferência pelo sêmen do touro de acordo com o animal a ser inseminado, sendo que o acasalamento é uma ferramenta interessante para o produtor ter esta indicação. “Outro quesito fundamental é que o produtor conheça o seu rebanho, com o maior número de anotações zootécnicas possível para evitar consanguinidade no momento da inseminação e fazer o controle leiteiro das vacas para saber quais que dão mais lucro e poder manejar melhor a nutrição e escolher as melhores famílias para que possa reter as filhas dessas vacas e multiplicar esta geração que tem melhor desempenho, não trabalhando no “achismo” e , desta forma, tratando a propriedade como uma empresa rural”, informou Victor Hugo

Como aumentar o índice de prenhez nas vacas leiteiras

A terceira explanação do Seminário tratou acerca de procedimentos para elevar a prenhez das vacas leiteiras, com o médico veterinário Márcio Schaiben, da empresa Agener União. Para ele, a genética está cada vez mais sendo exigida dos animais e quanto maior o nível de exigência, mais ocorrem os problemas reprodutivos. “O que acontece muito nas propriedades é de vacas ficarem muitos dias em aberto, ficando em alguns casos até 120 dias sem ter cio. O grande ponto que o produtor tem de entender é que a vaca precisa ser bem trabalhada e as decisões devem ser tomadas de forma rápida caso os animais não respondam à inseminação, sendo fundamental que ele procure seu veterinário de confiança e adote um programa de manejo reprodutivo na propriedade”, considerou

Doenças reprodutivas e fatores que influenciam no desempenho dos rebanhos

A última palestra do Seminário do Leite da Cotriel foi a respeito da prevenção de doenças visando uma melhor reprodução dos animais, com o médico veterinário e consultor, Valmir da Cunha Vieira. Ao falar sobre o assunto, Valmir observou que existem várias doenças que acometem as vacas e deve ser estabelecido um controle sanitário através da assistência técnica principalmente das zoonoses, como brucelose e tuberculose, por exemplo, pois estas podem contaminar o ser humano e as enfermidades virais, que podem ser combatidas através de vacinas. “Este trabalho objetivou conscientizar que o produtor consiga fazer a detecção das doenças e cuidar na alimentação, pois o mofo na silagem leva ao organismo dos animais micotoxinas que provocam aborto, baixa de resistência do organismo e aumenta a taxa de doenças respiratórias e intestinais”, finalizou.

(Assessoria de Comunicação – Cotriel)

Compartilhe: