ESPUMOSO – Cotriel: Estael Sias abordou previsão do tempo para a primavera e o verão

Durante a programação da Tarde de Campo da Cotriel, a meteorologista da Met Sul, Estael Sias, participou pela primeira vez de um evento deste porte. Em sua abordagem ela apresentou de forma sucinta os índices que a MetSul analisa nas projeções climáticas e, a partir destes indicadores explicar o que aconteceu com o clima até agora e o que vem pela frente. Estael afirmou que devido à ausência de fenômenos climáticos este ano, a chuva desde o começo do ano até julho tem sido irregular. “Em agosto e agora em setembro tivemos excesso de chuva, em parte isso relacionado ao índice Anular Sul, que interfere na cobertura de gelo na Antártica Este indicador, quando em excesso, reduz a frequência de ciclones no RS, situação que mudou e, por isso, favoreceu a ocorrência de ciclones extratropicais que propiciaram o retorno da chuva mais abundante desde o mês passado.

Por outro lado, neste momento o Oceano Pacífico está em Neutralidade (sem El Niño ou La Niña), mas a porção Leste, mais próxima da costa da América do Sul, está mais fria do que o normal desde o mês de maio e isso tem impacto no padrão de temperatura no Estado. As ondas de frio mais intensas se deram em ciclos de um mês, no fim de julho e agosto e poderemos ter frio agora no fim de setembro também”, destacou.

Estael colocou ainda que a primavera é um período com maior frequência de tempestades, não raro severas com intensos vendavais e granizo. Há vários precedentes de tornados e anos com características climáticas semelhantes às atuais registraram episódios graves de temporal na primavera, até com tornados. “Na primavera são comuns áreas de instabilidade que se formam no Norte da Argentina e Paraguai à noite e que avançam para o Sul do Brasil com chuva intensa e temporais. Em novembro e dezembro, à medida que se foram os regimes de chuva de verão, começam a ocorrer os temporais isolados de fim de tarde e começo de noite, devido ao calor”, acrescentou.

A meteorologista da Met Sul esclareceu ainda que por ser uma estação de transição para o verão, na primavera aumenta a frequência de dias de calor e diminui os de frio. “O começo da estação ainda tem características de inverno e o final já tem padrão de verão. A primeira metade da primavera em 2013 ainda deve ter frequência maior de massas de ar frio com risco alto de geada tardia. Outubro terá dias de calor, porém em alguns momentos ainda fará frio. Em novembro e dezembro é que aumentará muito o número de dias quentes, e alertamos para eventos de calor muito intenso (ondas de calor) com marcas ao redor ou acima de 40ºC nos dois meses. O contraste térmico entre ar frio na costa e ar quente no continente acentua vento da tarde para a noite do quadrante Leste no decorrer da primavera e que popularmente ficou conhecido como Vento de Finados.

Estael Sias encerra salientando que para o verão o cenário ainda é indefinido. “A análise estatística de modelos climáticos indica 80% de chance de permanecer o quadro de Neutralidade Climática para o verão. Mas é preciso cautela pois se analisarmos a historia climática do RS veremos que anos neutros ocorreram verões secos e chuvosos e, portanto, outras variáveis como a temperatura do Oceano Atlântico junto à costa e a cobertura de gelo na Antárica poderão ser vetores na definição do comportamento da chuva. Sempre lembramos que o verão normal no Rio Grande do Sul é de chuva irregular e períodos de estiagem, como condição típica”, finalizou.

(Assessoria de Comunicação – Cotriel)

Compartilhe: