ERNESTINA – Programa Mais Educação oferece oficinas a estudantes ernestinenses

Desde o último mês, estudantes da Escola Educarte, de Ernestina, participam de oficinas dentro do Programa Mais Educação. A secretária municipal de Educação, Ingrid Worst, aderiu à iniciativa do governo federal e a escola foi contemplada com recursos para o desenvolvimento de oficinas de jardinagem e horta, letramento, grafite e dança. As atividades ocorrem em turno inverso ao escolar nas segundas, quartas e sextas-feiras, e buscam complementar o ensino feito em sala de aula. O programa prevê recursos para a contratação de monitores e materiais necessários para as oficinas. Até o final deste ano, a Educarte receberá R$ 35,2 mil para a realização das atividades nas quatro oficinas oferecidas, que envolvem, até o momento, 109 estudantes. Eles podem participar de até duas oficinas, desde que os horários não coincidam.

Na manhã de segunda-feira (24), a coordenadora pedagógica da Secretaria da Educação de Ernestina, Diones Magarinos da Silva, reuniu-se com a diretora da Educarte e monitoras das oficinas para a avaliação dos trabalhos neste primeiro mês de atividades. Para Diones, os resultados obtidos até então são positivos e encaminham o ensino escolar para o turno integral, o que complementará a educação dos estudantes, envolvendo-os em atividades teóricas e práticas, desenvolvendo habilidades e o senso de cidadania nos estudantes.

Ingrid vê no ensino integral uma das soluções para a melhora do ensino escolar oferecido no país. “Precisamos envolver os estudantes integralmente na escola e oficinas como estas, práticas, lúdicas, somam-se ao que já é ensinado em sala de aula. Só assim, com um ensino de qualidade, conseguiremos formar estudantes com um maior senso crítico, cidadãos responsáveis”.

Programa Mais Educação

O Mais Educação é uma estratégia do Ministério da Educação para indução da construção da agenda de educação integral nas redes estaduais e municipais de ensino que amplia a jornada escolar nas escolas públicas, para no mínimo 7 horas diárias, por meio de atividades optativas nos macrocampos: acompanhamento pedagógico; educação ambiental; esporte e lazer; direitos humanos em educação; cultura e artes; cultura digital; promoção da saúde; comunicação e uso de mídias; investigação no campo das ciências da natureza e educação econômica.

Diferentes experiências pedagógicas indicam o papel central que a escola tem na construção de uma agenda de Educação Integral articulando, a partir da ampliação da jornada escolar, políticas públicas, equipamentos públicos e atores sociais que contribuam para a diversidade e riqueza de vivências que tornam a Educação Integral uma experiência inovadora e sustentável ao longo do tempo.

O programa teve início em 2008. Para o desenvolvimento de cada atividade, o governo federal repassa recursos para ressarcimento de monitores, aquisição dos kits de materiais, contratação de pequenos serviços e obtenção de materiais de consumo e permanentes. De acordo com as atividades escolhidas, as escolas beneficiárias também podem receber conjuntos de instrumentos para banda fanfarra, hip hop e rádio escolar, dentre outros, conforme Manual PDDE – Educação Integral.

(Fabricio Carvalho – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Ernestina)

Compartilhe: