ERNESTINA – Depósito pode conter mais de 100 mil pneus

Após o primeiro dia de remoção dos pneus, trabalho iniciado na quarta-feira (17), a Prefeitura de Ernestina e a Reciclanip, empresa paulista contratada para o transporte do material, acreditam poder haver mais de 100 mil pneus no depósito clandestino encontrado em uma propriedade particular no interior ernestinense. O levantamento atualizado considera o número já encaminhado na quarta (17) – cerca de 4 mil pneus – e uma nova vistoria na área nesta quinta-feira (18). Após a retirada inicial e a pequena diferença percebida no montante em relação ao total, acredita-se que o número ultrapasse ao equivalente a 100 mil pneus de carro de passeio.

Entenda o cálculo
A partir do peso total da carga, a empresa responsável pelo transporte divide o número de toneladas pelo peso de um pneu de passeio. Por isso, a contagem dos pneus será divulgada em pneus de passeio, mesmo que sejam transportados pneus de bicicletas, automóveis, motocicletas, caminhões e tratores, entre outros maquinários.

Empresa passará a contribuir com mão de obra
Em reunião nesta quinta-feira (18) em Porto Alegre com o governador do Estado, José Ivo Sartori, e o chefe da Casa Civil, Márcio Biolchi – audiência marcada com o auxílio do deputado estadual Eduardo Loureiro (PDT) –, o prefeito de Ernestina, Odir João Boehm, buscou apoio para a solução do problema. Neste momento, a maior dificuldade encontrada pelo município é mobilizar pessoas para o carregamento dos pneus.

No encontro com a secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Estado, Ana Pellini, acompanhado pelo assessor Márcio Bosa de Oliveira, Boehm explanou sobre a difícil situação enfrentada pelo município, que busca remover os pneus depositados a céu aberto e não possui pessoas nem maquinários suficientes para carregar os mais de 100 mil pneus. “Somente nesta quarta-feira, um mutirão de funcionários da Prefeitura e voluntários carregou cerca de 4 mil pneus em três caminhões. São pneus de carros, caminhões e tratores que devem ser carregados manualmente. É desumano esperarmos que essa mesma equipe trabalhe todos os dias nesse ritmo e, por isso, o município não tem condições de carregar sozinho todos os pneus”, disse o chefe do Executivo de Ernestina durante o encontro.

Nesta quinta-feira (18), até que mais apoio fosse angariado para a retirada dos pneus, os trabalhos no local foram suspensos. Após a conversa entre o município, o Governo do Estado e a Reciclanip, a empresa irá contribuir também com mão de obra. A remoção será retomada já nesta sexta-feira (19), quando a Reciclanip deve enviar quatro caminhões e mão de obra para o carregamento de dois deles – os outros dois serão carregados por uma equipe organizada pelo município. Também nesta sexta, uma nova reunião vai debater o andamento dos trabalhos de carregamento e transporte dos pneus da próxima semana, pois se acredita que a empresa possa assumir integralmente a remoção dos pneus, desde o carregamento até o transporte e destinação adequada. O gerente geral da Reciclanip, Cesar Faccio, conheceu o depósito clandestino na tarde desta quinta.

Ao avaliar a atual situação da retirada dos pneus, o prefeito Boehm acredita que o resultado dos trabalhos desta quinta foi positivo. “O governo do Estado nos recebeu bem e entendeu que não conseguimos sozinhos carregar todos os pneus. Também discutimos com o governo a situação de recursos do município e máquinas para auxiliar na remoção, pois Ernestina não tem condições de arcar com tudo”, reconhece Boehm. O prefeito também agradeceu os esforços de todas as pessoas que se empenham direta ou indiretamente no caso.

“Obrigado a todos que trabalharam até agora, a vice-prefeita Diná, o secretariado, os funcionários da Prefeitura, os voluntários, as entidades e órgãos envolvidos, as pessoas que nos contatam sensibilizadas com o problema e que buscam, de uma forma ou de outra, auxiliar na solução. É só assim, trabalhando em conjunto, que conseguiremos remover os pneus do depósito irregular”, agradece o prefeito, ao lembrar também que uma determinação judicial exige a execução da sentença existente desde 2012.

(Fabricio Carvalho – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Ernestina)

Compartilhe: