ERNESTINA – Amor pelas flores: munícipes são voluntárias no embelezamento da cidade

Quando o amor é muito, ele tende a se expandir. O amor pelas flores é tamanho que a mãe dos jardins de Victor Graeff, Delci Gnich, agora também é a mãe dos jardins de Ernestina. E ela não está sozinha nessa missão: tem a ajuda da irmã Evani Lamm. As duas ernestinenses se empenham na manutenção dos jardins das próprias residências e também de espaços públicos como a Praça Municipal Norberto Otto Gayger, a Capela Mortuária e o trevo de acesso ao perímetro urbano do município.

Os trabalhos na Capela Mortuária foram assumidos pelas irmãs há seis meses e têm o auxílio da ernestinense Ilone Pfluck. No local, após a reforma externa da capela, voluntariado resultou no plantio de flores e manutenção dos canteiros. No trevo de acesso ao município, dona Evani ornou o espaço com flores através do apoio da Acipae, a Associação Comercial, Industrial, de Prestação de Serviços e Agropecuária de Ernestina. Os demais espaços públicos, como a praça municipal, são mantidos voluntariamente. Dona Delci relata que caminha todas as manhãs pela praça. “Nas minhas caminhadas, eu vejo como temos uma praça bonita. Toda arborizada, é um local que as pessoas podem usar mais, desfrutar, e por isso a comunidade pode ajudar no cuidado desse espaço”, propõe.

As mudas das flores são, na maioria das vezes, doadas pelas irmãs. “E se houver mais voluntários que nos ajudem no plantio e na manutenção dos canteiros da praça, podemos ter uma praça ainda mais bonita, cheia de flores nos canteiros. Fornecimento de mudas de flores não seria problema, o que precisamos é de mais pessoas engajadas no plantio e cuidado”, ressalta dona Evani.

“É muito bonito quando vemos pessoas que se dedicam, inclusive voluntariamente, para termos um mundo melhor. E porque não começarmos pelo nosso próprio município? Zelar por uma cidade bem cuidada é o mesmo que zelar pela nossa casa. É nosso habitat, nosso lar”, destaca o prefeito de Ernestina, Odir João Boehm. O chefe do Executivo também congratula as irmãs pelo trabalho desenvolvido. “Parabéns a dona Delci e dona Evani por essas iniciativas tão inspiradoras. Elas nos motivam a nos empenharmos ainda mais para termos um município de Ernestina ainda mais belo para a população”, enfatiza o prefeito.

“Jardinoterapia”
Se ainda não consta nos dicionários o termo ‘jardinoterapia’, o significado pode ser explicado por Delci e Evani. As irmãs encontraram no trabalho com as flores uma ocupação terapêutica. “Em um período da minha vida, entrei em depressão, e o desafio de lidar com as flores foi o que me tirou desse quadro depressivo e me fez melhorar. Desde então, nunca mais parei”, relembra Delci.

Como relata dona Evani, que inclusive é proprietária há 15 anos de uma floricultura em Ernestina, o talento no trato com as flores também foi ensinado pela mãe. “Nossa mãe Lussila gostava muito de flores. Herdamos dela esse gosto pelos jardins”. O início do empreendimento também veio através do apoio da irmã. No começo, ambas eram sócias no negócio, incentivado por Delci, e expunham as flores inclusive na Feira do Produtor de Ernestina.

A adoração pelos jardins é praticamente um negócio de família. Anegrid, filha de Delci, possui há cerca de 20 anos uma floricultura em Victor Graeff. Ao lado da equipe, ela é responsável por paisagismos e ajardinamentos em mais de seis municípios da região. O negócio, como relata Delci, que começou em um canto de um chiqueiro de criação suína na propriedade, hoje é uma das referências regionais em materiais para jardins e decoração de eventos. A Floricultura Delane faz, inclusive, a jardinagem do Parque da Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque.

Inspiração em livro
A Educação mostra novamente o poder de transformação na vida das pessoas. A inspiração para dona Delci trabalhar com flores veio de um livro ainda no princípio da vida escolar. “No 1º ano, vi num livro uma imagem de um canteiro com amor-perfeito. Tenho essa lembrança bem clara. Fiquei pensando como seria bonito se eu pudesse ter um canteiro como aquele. Anos após, casei e passei a me dedicar ao jardim da minha casa”, conta. O jardim de Delci passou a inspirar também amigas e vizinhas. “Desde então, sempre cultivei o jardim e isso também motivou outras pessoas a plantarem flores e cuidarem, buscando também fazer algo”, recorda.

Potencial turístico
A localização estratégica de Ernestina, também banhado pelas águas da Barragem, rende elogios por quem passa pelo município. O potencial turístico é um dos talentos locais, algo que voltou a ser retomado em 2015. “Em Victor Graeff, por exemplo, passam cerca de 1 mil turistas por ano. Eles compram no município, consomem produtos das empresas locais, e também queremos ter um projeto assim aqui em Ernestina”, revela Delci.

Para isso, além do incentivo do Poder Público, as irmãs acreditam ser necessário que a comunidade abrace a ideia. “A Luciane Dapper, presidente da Acipae em 2015, foi uma das interessadas em explorarmos o turismo aqui em Ernestina. Ela nos procurou e iniciamos as conversas”, comenta Evani. “Para que o turismo realmente evolua, a gente tem de abraçar a causa. A comunidade precisa se unir e trabalhar junto sabendo que ela pode sim fazer algo para termos um bom município. A Emater também pode ser uma forte aliada nesse sentido, para dar assistência e orientação aos interessados”, acrescenta Delci.

“Se tu está nesse mundo somente de passagem, então tem de deixar um rastro bonito”, acredita dona Delci. E o legado das ernestinenses pode ser visto por todas as pessoas que passam em frente às suas residências e também vislumbram as flores de diversas variedades plantadas pelas irmãs em Ernestina. Trabalhar por um bom município não é dever somente do poder público, mas pode ser uma tarefa compartilhada entre todos os munícipes. “Unidos, o poder público e a comunidade têm ainda mais força para melhorar Ernestina”, ressalta o prefeito Boehm, um dos apreciadores do empenho dedicado pelas irmãs em fazer de Ernestina um local ainda mais bonito para os moradores, além de quem está de passagem pelo município.

(Fabricio Carvalho – Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Ernestina)

Compartilhe: