El Niño beneficia safra 2012/13

O clima deve ser favorável para a safra 2012/13 no Paraná. Apesar da estiagem registrada em agosto em toda a região Sul do País, as lavouras não foram afetadas. Além disso, a previsão de ocorrência do fenômeno climático El Niño no próximo trimestre gera expectativa de regime regular de chuvas para as lavouras de verão.

Balanço desenvolvido pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) aponta que durante o mês de agosto o volume de chuvas ficou muito abaixo do normal para a época do ano, sendo que em algumas regiões do Paraná não houve registro de precipitação, enquanto em outras áreas o volume acumulado não passou de 30 mm. Como consequência, grande parte das regiões Central e Sul do Brasil apresenta deficiência hídrica no solo. As temperaturas médias registradas em agosto no Paraná apresentaram valores acima da média para o período e as frentes frias que passaram pelo Sul do Brasil foram de fraca intensidade.

Os prognósticos climáticos globais, segundo o Inmet, mantêm a tendência de influência do fenômeno
no clima a partir do final do inverno e início da primavera. Com isso, a estimativa é de que as precipitações no Centro-Sul do País voltem ao normal a partir de meados deste mês e de que a primavera se caracterize por chuvas mais abundantes e bem distribuídas. O solo deve recuperar a capacidade hídrica a partir das próximas semanas e manter condições favoráveis ao bom desenvolvimento das lavouras ao longo do ano. Já as temperaturas devem continuar oscilando este mês entre períodos mais quentes e quedas acentuadas.

Segundo o Instituto Tecnológico Simepar, durante o mês de agosto, o volume de precipitações em Londrina chegou a apenas 1 mm, enquanto a média histórica para o período é de 53 mm. A meteorologista do Simepar Angela Beatriz da Costa revela que a previsão para os próximos dias é de manutenção do tempo estável, com céu claro e sem potencial de chuvas. Dessa forma, a umidade do ar deve permanecer baixa. Na última quarta-feira, o índice calculado às 15h registrou 37% de umidade relativa do ar na cidade.

Angela explica que o fenômeno climático El Niño é consequência do aquecimento das águas do Oceano Pacífico e tem como efeito a ocorrência de chuvas em maior frequência na região Sul do País. ”A chuva é sempre benéfica para a agricultura e no momento estamos saindo de um período de neutralidade climática e passando para a influência do El Niño, que deve trazer chuvas mais distribuídas e regulares nos próximos três meses”, analisa a meteorologista.

De acordo com o diretor do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Francisco Simioni, a deficiência hídrica ainda não causou prejuízos produtivos para a safra de inverno paranaense. No extremo sul do Estado, as lavouras de trigo começam a apresentar estresse por falta de chuva, mas nada significativo até o momento. Já nas regiões Oeste e Norte, onde a colheita está mais avançada, a seca é vantajosa. ”Como o trigo é uma cultura altamente resistente, ainda não temos informações relacionadas à perda”, comenta.

A colheita do milho de segunda safra também está sendo finalizada em condições ideais. ”O que preocupa é o preparo de solo para o plantio da próxima safra, que pode ser afetado se não chover nesta semana”, afirma Simioni. Segundo ele, no extremo Sudoeste do Estado, o plantio do feijão está parado em razão das condições desfavoráveis do solo. Na avaliação do diretor do Deral, os efeitos do El Niño serão positivos para o Paraná, com expectativa de bom volume de chuvas em dezembro e janeiro, período de maior necessidade para a soja e o milho. ”A previsão é otimista para a safra 2012/13 pela perspectiva de consolidação do El Niño. A única apreensão é de que a falta de chuvas impacte na intenção dos produtores de antecipar o plantio, principalmente de soja”, esclarece.

Folha do Estado

Compartilhe: