Diálogo Espírita

ONDE A JUSTIÇA ?

Júlio nasceu deficiente físico e mental. A deficiência física era tão grande que se julgava um monte de carne dentro de um saco. Viveu três anos e meio. Os pais dedicaram muito amor ao Júlio enquanto viveu.

Se somos todos filhos de Deus, onde vamos encontrar a Justiça Divina no caso do Júlio?

Na obra “Deficiente Mental, por que fui um?” temos a resposta do caso de Júlio, porque relata sua vida anterior.

Na vida passada, ele tinha os mesmos pais que o amavam. Quando faltavam dois meses para se formar como engenheiro, seus pais morreram em acidente. Infelizmente, Júlio já estava envolvido no uso de drogas ilícitas.

Formou-se, conseguiu emprego, entretanto, devido ao uso das drogas, faltava constantemente ao serviço, sendo despedido.

Tinha duas irmãs mais velhas, casadas. Ficou morando sozinho no casarão, vendendo os bens da residência para cobrir o uso das drogas.

Suas irmãs entraram em contacto com uma clínica de recuperação e avisaram o irmão de que iriam passar no dia seguinte de manhã para levá-lo a se internar nesta clínica.
Durante a noite tomou uma over dose e desencarnou (morreu).
Júlio na vida anterior tinha um corpo saudável, bons pais, situação financeira estável e a tudo desprezou.

Não foi Deus que o castigou, mas as suas atitudes geraram a situação deprimente na reencarnação seguinte, como uma oportunidade de reavaliar o valor da vida e respeitar as Leis Justas e Sábias de Deus.

Sociedade Espírita Raios de Luz

Compartilhe: