CRUZ ALTA – Unicruz cumpre com sucesso a II Expedição Techo – Brasil/Argentina

A Universidade de Cruz Alta participou de mais uma expedição da ONG Techo na Argentina, de 06 a 09 de novembro, na cidade de Oberá.  Uma equipe composta por dezessete acadêmicos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo (08), Agronomia (dois); Enfermagem (um), Engenharia Civil (três), Jornalismo (dois) e Medicina Veterinária (um), coordenada pela professora Rosane Felix, assessora de Assuntos Internacionais e pela socióloga da Unicruz, professora Janete Schubert, integraram a comitiva.

Vinte e oito famílias em situação de vulnerabilidade social, dos bairros Caballeriza, San José y Villa Christen de Oberá, conviveram com 200 voluntários de diferentes países como Brasil, Paraguai, Holanda, Alemanha e várias províncias da Argentina. Esta atividade culminou no fim de semana de 07 e 08 de novembro, mas o trabalho anterior foi feito há meses e terá sequencia com a instalação das mesas de trabalho.

Entenda as diferentes fases da Techo

A proposta de trabalho comunitário é focada nos assentamentos precários mais excluídos, sendo seu principal motor a ação conjunta de seus moradores e jovens voluntários, os quais trabalham para gerar soluções concretas para uma problemática social que julgamos prioritária: a pobreza. Estimula um processo contínuo de fortalecimento da comunidade, considerando o desenvolvimento comunitário como eixo transversal da intervenção.

O trabalho começa lado a lado com as famílias, o primeiro passo é uma busca ativa com objetivo de encontrar comunidades que hoje estão em condições de pobreza. Após encontrar, priorizar e apresentar o modelo de trabalho, a comunidade valida o início das atividades, dando o primeiro passo de um trabalho de longo prazo.

A primeira atividade é a realização de um levantamento socioeconômico de informações sobre toda a comunidade, cujos dados são coletados por moradores e jovens voluntários. Os projetos são determinados de acordo com as demandas levantas, planejados e executados a curto prazo, como a construção de moradias de emergência.

Durante o período de projetos de curto prazo, a equipe permanente de voluntários trabalha com os moradores pela mobilização e organização comunitária. Após esse período de fortalecimento, dá-se início ao momento das instâncias de Mesas de Trabalho – este visa fortalecer as capacidades comunitárias pela participação e organização, identidade, autogestão e redes de apoio. Dentre as principais demandas estão: educação, capacitação profissional e fomento produtivo, formação de lideranças comunitárias, financiamento parcial de projetos comunitários, entre outros.    Além de buscar a vinculação a redes para poder desenvolver outros programas que respondam aos objetivos das comunidades e contribuam para a geração de soluções integrais.

O norte de todo trabalho é o momento quando a comunidade tem todos os direitos básicos assegurados, estando plenamente inclusas no desenvolvimento da cidade, e são implementadas soluções definitivas nas comunidades, como a regularização da propriedade, a instalação (ou regularização) de serviços básicos, moradia definitiva e infraestrutura comunitária. A ONG articula e promove o vínculo de moradores de comunidades organizadas a instituições do Estado, entre outros atores da sociedade para garantir seus direitos.

O Coordenador do Techo em Oberá, Damían Reinero, estudante de licenciatura em Higiene e Segurança do Trabalho na Universidad Nacional de Misiones (UNaM), avaliou a participação da Unicruz. Destacou que “pela terceira vez, tiveram a honra de trabalhar junto a voluntários brasileiros, irmãos latino-americanos que acreditam no mesmo que nós e sabem que somos responsáveis por transformações sociais”.

A socióloga Janete Schubert, que acompanhou e participou ativamente desta expedição, acredita que “a experiência com a organização Techo marca de forma muito profunda nossos acadêmicos, pois existe uma domesticação de nosso olhar com relação a pobreza e a desigualdade, participar do Techo certamente modifica os olhares sobre estes temas, muito diferente de estudar e uma sala de aula. A convivência e o afeto produzido certamente contribui para que se tenhas olhares mais humanos sobre a situação da desigualdade”.

A Assessoria de Assuntos Internacionais (AAI) da Unicruz, após receber o convite para participar, especialmente da segunda fase do trabalho, lança editais internos para selecionar acadêmicos regularmente matriculados, estabelecendo período de formação com oficinas diversas que antecedem a viagem, para 2016 estão previstas mais duas expedições.

A assessora Rosane Felix salienta que estas vivências já compõem um projeto de extensão internacional da Universidade de Cruz Alta, os encaminhamentos discutidos com a equipe de coordenadores de Oberá culminaram com uma agenda de trabalho até o dia 15 de dezembro que envolve o estudo e assinatura de um convênio, bem como. a vinda dos argentinos para troca de experiência com docentes e acadêmicos extensionistas envolvidos em projetos desta natureza.

Techo é uma organização da sociedade civil que busca superar a pobreza em assentamentos na América Latina. Opera na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, República Dominicana, Paraguai, Panamá, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

(Núcleo Integrado de Comunicação da Unicruz)

Compartilhe: