Cooperativismo de crédito cresce no Brasil

Cento e dez anos de história, presente em dez estados, mais de dois milhões de associados e 113 cooperativas integradas, além de uma rede de atendimento em 905 municípios. O Sistema de Cooperativas de Crédito (Sicredi) é um dos participantes do 3º Fórum Nacional sobre Cooperativas de Crédito de Micro e Pequenos Empresários e Empreendedores. O evento será realizado amanhã (21/08/12), no Centro de Eventos de Nova Petrópolis (RS).

O Sebrae realiza o Fórum em parceria com a Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito (Confebras), das 8h às 17h. O encontro faz parte da programação do 9º Congresso Brasileiro do Cooperativismo de Crédito (Concred), também em Nova Petrópolis, de 21 a 23 de agosto.

O Sicredi é um dos três grandes sistemas de cooperativas de crédito do Brasil e um dos maiores da América Latina. O cooperativismo de crédito contribui para suprir a necessidade de acesso a produtos e serviços financeiros de seus associados.

Por meio do Sicredi, onde os associados são donos do negócio, tanto as pessoas quanto as empresas têm acesso à conta corrente, poupança, linhas de crédito, cartões de crédito e débito, seguros, previdência e outros produtos e serviços. O Sistema possui de ativos totais de R$ 29,5 bilhões, patrimônio líquido de R$ 4 bilhões e carteira de crédito de R$ 15,2 bilhões.

Segundo o superintendente de Crédito do Banco Cooperativo Sicredi, Paulo Valadares Pereira, as cooperativas de crédito têm se firmado como um sistema mais inclusivo, participativo e justo, e atuam como um modelo de organização econômica da sociedade. O banco é uma das entidades do Sistema e o instrumento de acesso dessas cooperativas ao mercado financeiro.

Outro ponto observado por Pereira diz respeito à educação financeira, que, na visão dele, deve acompanhar a oferta de produtos e serviços. “Como a cooperativa nasce na região em que opera, ela tem um conhecimento profundo do mercado local. Assim, pode orientar melhor o associado na escolha de produtos e serviços adequados a sua necessidade”, afirma.

Desenvolvimento

Paulo Valadares destaca que as cooperativas promovem o desenvolvimento econômico e social de suas regiões. Os resultados são repassados aos seus associados, os donos do negócio, proporcionalmente ao volume das suas operações, e reinvestidos no lugar em que vivem, o que fortalece a economia da região. O superintendente complementa que a Organização das Nações Unidas(ONU) reconheceu a importância desse modelo e declarou 2012 o Ano Internacional das Cooperativas.

“Cada vez mais, as pessoas estão descobrindo a força desse tipo de iniciativa, organizando-se em rede. As redes e novas interações possibilitam resgatar valores humanos fundamentais, como a colaboração e a cooperação”, afirma Paulo Valadares. Ele assinala que ainda existe espaço para ampliação desse modelo. “Enquanto em países europeus a representatividade do cooperativismo no mercado financeiro é superior a 20%, no Brasil é de apenas 2%”, compara.

Pequenos negócios

As micro e pequenas empresas (MPE) representam 92% do total de associados como pessoa jurídica do Sicredi. Atualmente, 38% do volume de crédito total desse sistema é destinado ao segmento. Em 2011, o Sicredi direcionou R$ 4,1 bilhões de crédito a pequenos negócios, o que representa crescimento de 26% em relação a 2010. Para 2012, a projeção é ampliar esse volume em mais de 20%.

No que se refere ao crédito para as MPE, o Sicredi pretende crescer uma média de 23% ao ano até 2015. “O apoio às micro e pequenas empresas é fundamental para a economia. Assim como as cooperativas de crédito, elas são motores de inclusão social, geração de renda e promoção de desenvolvimento local”, avalia Paulo Valadares.

O superintendente do Banco Cooperativo acredita que as parcerias doSicredi com o Sebrae ajudam a disseminar o cooperativismo de crédito para as MPE. Paulo Valadares ressalta que o Fórum permite a troca de conhecimentos entre os participantes. “O intercâmbio de informações e o aprendizado colaborativo resultam em mais conquistas para as cooperativas e as MPE”, considera.

Agência Sebrae de Notícias

Compartilhe: