CARAZINHO – Elevação de 26,6% na tarifa de transmissão de energia anunciada pela Aneel terá reflexos no município

Eletrocar ainda não sabe qual o percentual que terá de repassar aos consumidores, mas o assessor de regulamentação e tarifas da Eletrocar, João Pedroso, afirma que o reajuste pegou a empresa de surpresa em um momento em que o reajuste anual da empresa está sendo discutido

Nesta semana, a Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel elevou em 26,6% a tarifa de transmissão de energia para o ciclo 2020-2021. Segundo a instituição, a mudança deve gerar um impacto médio de 3,92% nas contas de energia. Entre os motivos da alta na remuneração das distribuidoras, está a entrada em operação de novas linhas. O impacto previsto para a tarifa não será aplicado de imediato e será diluído ao longo de cinco anos, já que esse custo foi incluído no empréstimo de quase R$ 15 bilhões de socorro ao setor elétrico.

Em entrevista a Rádio Diário AM 780, o assessor de regulamentação de tarifas da Eletrocar, João Pedroso, revelou que a concessionária tomou por surpresa a decisão da Aneel.

“Recebemos com surpresa esta notícia de que teve este reajuste de 26,6% que seria na receita das transmissoras. Isto significa que é este valor que a Eletrocar vai desprender para custear a transmissão de energia até as nossas subestações. Não é um aumento para as distribuidoras em si, é um custo que as elas têm na tarifa referente ao transporte da energia feita através das linhas de transmissão”, explica Pedroso.

O servidor destacou que os 26,5% se referem a aumento médio, mas que pode variar de empresa para empresa e revela que embora a Eletrocar já tenha contatado com a Aneel ainda não recebeu especificação de qual o percentual que caberá a Eletrocar repassar a seus consumidores.

“Ressalta-se ainda que esta é a média, e pode ser que tenha empresas com custos maiores e outros menores, nós estamos ainda buscando mais informações sobre o impacto direto para a Eletrocar e nossos consumidores, é um repasse que teremos que fazer para as transmissoras, é um custo, dinheiro que não fica para Eletrocar”, diz Pedroso.

De acordo com ele, a empresa tem adotado várias medidas para minimizar os impactos das elevações dos custos de operação e revelou que para a concessionária o custo da compra de energia aumentou já que as empresas do setor são obrigadas a adquirir quotas da energia gerada na Usina de Itaipu, que por ser binacional tem sua cotação em dólar e com a valorização da moeda americana teve reflexos do preço de megawatts.

“Esta notícia, provavelmente terá impacto no reajuste tarifário anual que deve ser divulgado semana que vem. Estamos trabalhando no processo de reajuste e tínhamos uma posição, mas esta notícia veio como surpresa e não esperávamos, portanto não tínhamos a projeção deste custo. Isto é uma decisão judicial que beneficiou as transmissoras que estavam com este recurso tramitando desde 2012. Então são valores a serem recebidos pelas transmissoras de 2012 em diante, e por isso deste impacto enorme, será uma explosão na tarifa das transmissoras e o impacto para todas as distribuidoras do Brasil será de R$ 35 bilhões. Estamos aguardando o retorno da Aneel, acredito que segunda-feira (20) teremos o retorno de quanto dará na próxima tarifa”, disse Pedroso, que comentou ainda que por se tratar de uma medida judicial, muito provavelmente este reajuste que compete às transmissoras estará incluído no reajuste anual da Eletrocar previsto para dia 22 de julho.

Diário da Manhã

Compartilhe: