Britânicos listam 10 coisas que Brasil pode aprender para 2016

Após entregar a bandeira olímpica para o Rio de Janeiro, o Reino Unido busca agora passar para a organização brasileira o conhecimento adquirido em Londres para a boa realização dos Jogos de 2016. A agência de notícias britânica BBC publicou nesta terça-feira as dez coisas que os cariocas poderão aprender com a Olimpíada de 2012. Veja a lista:

1 – Atenção com os detalhes
Além da construção dos grandes centros esportivos, o Rio deve investir no desenvolvimento de pequenos detalhes que podem fazer a diferença para atletas e público em geral durante os Jogos. A publicação lembra o caso do medalhista de ouro Nicola Adams, que classificou a comida da Vila Olímpica de Londres como “incrível”, e do elogio do Comitê Olímpico Internacional (COI) pelas árvores no Parque Olímpico. Para isso, o Rio precisa terminar os grandes projetos com antecedência para cuidar dos detalhes.

2 – Cuidado com os ingressos
Um dos grandes problemas durante a competição em Londres foi o fato de os ingressos para os principais eventos dos Jogos estarem esgotados com grande antecedência, mas ser comum a imagem de cadeiras vazias durante todo o mês. O COI prometeu cuidar da situação, mas a questão é um foco de atenção para 2016.

3 – Investir em voluntários
De acordo com a BBC, a atuação dos voluntários em Londres foi o aspecto mais elogiado dos Jogos de 2012. Como nenhum país do mundo tem o poderio econômico de igualar os 70 mil profissionais de Londres com equipes contratadas, é quase que obrigatório para o Rio adotar o mesmo modelo.

4 – Investir no esporte
Caso o Brasil queira que os atletas subam ao lugar mais alto do pódio em casa, é necessário que haja investimento no esporte. O Reino Unido levou 65 medalhas (29 de ouro) através de um projeto que envolvia alto investimento financeiro e alto nível de gestão e treinadores.

5 – Una o País para os Jogos
Apesar do sucesso em Londres, os índices de aprovação mostram que outras partes do Reino Unido não ficaram tão animadas com a Olimpíada, reflexo de apenas as competições do futebol terem sido disputadas fora da capital. Em uma nação com grandes dimensões como o Brasil, o problema pode ser maior.

6 – Ache a sua identidade
Desde a cerimônia de abertura até o comportamento dos voluntários, o Reino Unido levantou a bandeira do humor britânico como símbolo. O Brasil deve assumir a própria identidade, o que não deve ser problema para uma nação que tem como grande bandeira o Carnaval e o samba. A agência inglesa sugere que a “alegria” seja o grande tema de 2016.

7 – Seja moderno
O Brasil deve adotar o samba como tema dos Jogos, mas não pode depender apenas disso. Desde a rainha “pulando” de para-queda até a arquitetura dos ginásios olímpicos, Londres mostrou uma face moderna para o mundo. O Brasil também precisa mostrar que tem mais a oferecer.

8 – Use a agenda olímpica a seu favor
Para ajudar a elevar o ânimo da população, Londres colocou algumas das competições que tinham britânicos como favoritos ao ouro nos primeiros dias de Jogos. Com uma medalha conquistada no segundo dia de torneio, o clima se tornou “fantástico”, na opinião de Jacques Rogge, presidente do COI.

9 – Cuidados com transporte e segurança
Possivelmente os dois principais temas de preocupação em Londres, a segurança e o transporte, não registraram nenhum grande problema durante a competição, reflexo do reforço no policiamento e da campanha para que os trabalhadores evitassem o uso de transporte público perto das zonas olímpicas. Em um País em desenvolvimento e com um histórico de violência como o Brasil, as questões serão ainda mais foco de preocupação,

10 – Valorize as cores nacionais
A combinação do Jubileu de Diamante da Rainha com os Jogos Olímpicos causa uma explosão no azul, vermelho e branco em Londres. O dinheiro arrecadado com a venda de chapéu até mãos infláveis pode ter ajudado a Inglaterra durante a crise econômica, e pode ser uma medida investida no Brasil.

Terra

Compartilhe: