Brasil enfrenta o México pelo ouro inédito

Postado em 11 agosto 2012 08:32 por jeacontece
15.292.411/0001-75

O Brasil de Neymar, Oscar, Leandro Damião, Sandro e Thiago Silva tentará conquistar neste sábado o ouro olímpico, o único título que falta ao futebol do país, diante de um México que sonha com uma proeza. A final está marcada para as 11h, no Estádio de Wembley, em Londres.

Esta será a terceira decisão olímpica do futebol masculino brasileiro, prata em Los Angeles/1984 e Seul/1988. A ansiedade pelo ouro inédito é grande. Os jogadores ressaltam o sonho da vitória, mas terão pela frente uma seleção mexicana que também deseja subir pela primeira vez ao lugar mais alto do pódio. Mano Menezes não poupou elogios ao adversário.

— Desde o início, dizíamos que era a seleção que estava mais bem preparada para os Jogos, com jogadores que disputaram a Copa América (Argentina/2011). O México passou por muitas dificuldades, assim como nós, e foi encontrando soluções. Jogou com qualidade técnica contra o Japão (3 a 1). Por isso, está na final — disse o técnico, cujo destino à frente da Seleção depende do resultado de hoje.

Na final, o Brasil apostará no jogo ofensivo, apesar dos momentos de instabilidade no torneio, com destaque para Neymar, que em uma mesma partida pode ter minutos de apagão e segundos de pura genialidade.

— O futebol brasileiro está diante da possibilidade de fazer história. Estamos preparados para os 90 minutos — afirmou o atacante do Santos.

Além de Neymar, o Brasil conta com o ex-colorado Oscar, um camisa 10 que correspondeu às expectativas, com várias assistências e ótima visão de jogo. Outro destaque da equipe é o centroavante do Inter Leandro Damião, artilheiro dos Jogos Olímpicos com seis gols.

A seleção volta a disputar uma final olímpica após 24 anos: em Seul, a equipe, que contava com Romário e Bebeto, perdeu por 2 a 1 para a União Soviética na prorrogação.

Confiança mexicana, por André Silva

A final de hoje contra o Brasil, em Wembley, é apontada pela imprensa mexicana como o jogo dos sonhos. Disse o repórter Elías Lozada, da TV Azteca, depois da vitória por 3 a 1 sobre o Japão, na semifinal:

— Os mexicanos torceram para que o adversário da decisão fosse o Brasil, no grande palco do futebol mundial, para valorizar a conquista.

E quando se fala com os jornalistas mexicanos presentes a Londres do confronto deste sábado, percebe-se que o Brasil é respeitado, mas de forma alguma temido ou considerado de nível superior — consequência dos nossos últimos resultados. Questionados sobre que tipo de jogo imaginam, os mexicanos garantem que sua equipe “não irá ficar atrás marcando e buscará o ataque desde o começo”.

Os mexicanos citam o retrospecto recente e as vitórias em amistosos e em decisões de algumas competições entre os dois países, como a Copa das Confederações de 1999, a Copa Ouro de 2003 e o Mundial Sub-17 de 2005. O sistema defensivo brasileiro é apontado pelos mexicanos como o ponto fraco do time de Mano Menezes. Aliás, quando perguntado sobre quem é temido pelos mexicanos, Lozada surpreende.

— Todos vocês (brasileiros) esperam muito do Neymar, que é uma estrela, mas Leandro Damião é um jogador decisivo — diz, sem esquecer de elogiar o desempenho de Oscar.

Na equipe mexicana, o mais ressaltado é o lado esquerdo. O experiente Carlos Salcido é apontado como aquele que terá a obrigação de bloquear a armação brasileira (Oscar), e Marco Fabián é tido como o craque da equipe. Marco Fabián é conhecido dos gaúchos, pois jogou a final de 2010 da Copa Libertadores pelo Chivas contra o Inter — marcou um gol no Beira-Rio.

De acordo com a imprensa mexicana, o sistema ofensivo é a grande preocupação, pois Javier “Chicharito” Hernández e Carlos Vela não foram liberados por seus clubes para jogar na Olimpíada.

Em Londres, a campanha do México não apresenta os mesmos 100% de aproveitamento do Brasil. A equipe do técnico Luis Fernando Tena empatou a primeira partida contra a Coreia do Sul, mas as quatro vitórias seguidas, com 10 gols marcados e apenas três sofridos, ajudam a aumentar a confiança em ganhar “a final dos sonhos”.

Mas o México tem um desfalque importante: o atacante Giovanni dos Santos, que atua no Tottenham. No lugar do artilheiro do país na Olimpíada (com três gols), que sofreu uma lesão muscular na partida contra o Japão, deverá atuar Javier Cortés, chamado de talismã pela torcida e por jornalistas. O jogador de 23 anos defende o Unam, do México, e fez o terceiro gol na vitória sobre os japoneses.

FICHA TÉCNICA:
Brasil: Gabriel; Rafael, Thiago Silva, Juan e Marcelo; Sandro, Rômulo, Alex Sandro e Oscar; Neymar e Leandro Damião. Técnico: Mano Menezes

México: Corona; Israel Jiménez, Hiram Mier, Diego Reyes e Darvin Chávez; Carlos Salcido, Jorge Enríquez, Javier Aquino e Marco Fabián; Javier Cortés e Oribe Peralta. Técnico: Luis Tena

Arbitragem: Mark Clattenburg, auxiliado por Stephen Child e Simon Beck, todos da Grã-Bretanha

Clicrbs

Postado em 11 agosto 2012 08:32 por jeacontece
15.292.411/0001-75

NOTÍCIAS RELACIONADAS


Desenvolvido com 💜 por Life is a Loop