Brasil concorre à chefia da Organização Mundial do Comércio

O diplomata Roberto Azevêdo foi indicado pelo governo brasileiro como candidato à chefia da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ela deverá ser ocupada por um africano, um latino-americano ou um caribenho, avaliam especialistas. Europa não irá concorrer.

O governo brasileiro informou que apresentará o diplomata Roberto Azevêdo como candidato às eleições para a direção-geral daOrganização Mundial do Comércio (OMC). Azevêdo é embaixador brasileiro junto da OMC desde 2008 e desempenhou papéis-chave em importantes rodadas de negociações da organização.

Entre as negociações de sucesso em que esteve envolvido, está o debate em torno do algodão — litígio em que o Brasil contestava o subsídio do governo dos Estados Unidos aos produtores de algodão do país — cujo resultado final favoreceu Brasília.

Escolha em maio

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores (MRE) do Brasil, a indicação foi feita por instrução da presidente brasileira, Dilma Rousseff, por considerar que o diplomata tem “amplo conhecimento da organização, seus mecanismos e potencialidades” e está “diretamente envolvido com temas econômicos há mais de 20 anos”.

A escolha do novo diretor-geral da organização é prevista para maio de 2013. As 158 nações integrantes da OMC tiveram até o último dia de 2012 para apresentar um candidato.

Em nota, o Itamaraty destacou que o Brasil tem desempenhado um papel importante junto ao sistema multilateral de comércio, especialmente no âmbito das negociações da Rodada Doha. “A candidatura brasileira representa a importância atribuída pelo país ao fortalecimento da OMC e procura contribuir para o progresso institucional da OMC e para o desenvolvimento econômico e social mundial”, destaca o Itamaraty.

Três mulheres são candidatas

Entre os países que já apresentaram candidatos estão o México (Hermínio Blanco), Coreia do Sul (Taeho Bark), Indonésia (Mari Pangestu), Gana (Alan Kyerematen), Quênia (Amina Mohamed), Costa Rica (Anabel Gonzalez), Jordânia (Ahmad Hindawi) e Nova Zelância (Tim Groser).

O atual diretor-geral da organização é o francês Pascal Lamy, cujo mandado expira em 31 de agosto de 2013. Observadores acreditam que o próximo chefe da OMC muito provavelmente não será nem um europeu nem um norte-americano.

Muitos avaliam que o posto deverá ser ocupado por um africano, um latino-americano ou um candidato caribenho, embora o próprio Lamy tenha declarado que “não há sistema de rotação entre países ou regiões” e que seu sucessor, escolhido por consenso, deve ser apontado com base apenas em sua competência.

O único membro da OMC que descartou uma candidatura própria é aUnião Europeia (UE). “Obviamente, desta vez não será alguém da Europa”, afirmou o comissário europeu de Comércio, Karel de Gucht.

Deutsche Welle

Compartilhe: