Brasil bate recorde na exportação de milho

As exportações totais do Paraná, entre janeiro-outubro de 2012, somaram US$ 15,15 bilhões, uma elevação de 4%, relativamente a igual período de 2011 (US$ 14,58 bilhões). As importações somaram US$ 16,07 bilhões. Como resultado, o saldo da balança comercial paranaense foi deficitário em US$ 916 milhões.

É o que apontam os dados da Secretaria do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do MDIC.
Exportações Agronegócio

Já os dados da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura (MAPA) mostram que no acumulado janeiro a outubro de 2012, as exportações do agronegócio paranaense igualmente cresceram 4%, passaram de US$ 10,75 para US$ 11,16 bilhões. As exportações do agronegócio representam 74% do valor total das exportações paranaenses. Os principais agregados (complexo soja, carnes, sucroenergético, produtos florestais) somam US$ 9,27 bilhões, significando 83% da pauta das exportações do agronegócio estadual. O Paraná vem mantendo a 3ª posição no ranking das exportações do agronegócio brasileiro, participando com 13,8%. Os estados de São Paulo e Mato Grosso respondem por 21% e 14,2%, respectivamente, ocupando o primeiro e segundo lugares.

Complexo Soja (grão, farelo, óleo bruto e refinado)

No período em análise, as exportações do complexo soja (grão, farelo, óleo bruto e óleo refinado), passaram de US$ 4,86 para US$ 5,09 bilhões e o complexo ocupa a primeira posição nas exportações do agronegócio estadual (45,6%). As exportações de soja em grão, carro chefe das exportações paranaenses, cresceram em função do maior preço no mercado internacional e do ligeiro aumento na quantidade embarcada. Com isso, a receita somou US$ 3,28 bilhões contra US$ 3,04 bilhões em igual período de 2011. O volume embarcado passou de 6,2 para 6,3 milhões de toneladas. Com relação ao farelo de soja, o aumento se deu através da expansão nos preços do farelo, somando US$ 1,22 bilhão. O volume embarcado apresentou passando de 2,92 para 2,85 milhões de toneladas.

Complexo Carnes (bovina, aves, suína e outras)

O agregado carnes (aves, bovina, suína e outras) mostra estabilidade nas exportações em relação do período janeiro-outubro de 2011. Ocupa a segunda posição no agronegócio paranaense, participando com 17,3%. A receita gerada somou US$ 1,93 bilhão. Já as exportações de carne de frango (in natura e industrializada), apesar da queda no preço médio de exportação somaram US$ 1,56 bilhão e um volume embarcado de 895 mil toneladas contra 811 mil toneladas no mesmo período de 2011. As exportações de carne suína apontam recuo quando comparadas a igual período de 2011, com receita de US$ 113 milhões contra US$ 127 milhões. A quantidade exportada passou de 52 mil toneladas para 47 mil toneladas. As vendas externas de carne bovina caíram de US$ 45,7 milhões para US$ 43,7 milhões.

Complexo Sucroalcooleiro (açúcar e álcool)

As exportações do complexo sucroenergético foram de US$ 1,20 bilhão contra US$ 1,35 bilhão em igual período de 2011 (queda de 11%). Mesmo assim, o setor passa para a terceira posição nas exportações do agronegócio estadual. A receita com o açúcar somou US$ 1,08 bilhão, queda de 10,7% relativamente ao mesmo período de 2011 e o volume comercializado diminuiu, passando de 2,22 milhões para 2,05 milhões de toneladas.

Produtos Florestais

As vendas de produtos florestais somaram US$ 1,00 bilhão, aumento de 6% em relação a igual período de 2011 (US$ 983 milhões). O complexo contribuiu com 9,4% das exportações do agronegócio estadual.

Cereais, Farinhas e Preparações

Merece destaque as exportações de milho em grão via Porto de Paranaguá que alcançaram US$ 790 milhões e um volume comercializado de 3,05 milhões de toneladas. Já o Brasil exportou um volume de 13,0 milhões de toneladas e receita gerada de US$ 3,44 bilhões, superando o recorde registrado em 2007 (10,9 milhões de toneladas). A expectativa brasileira, com essa janela de mercado, é alcançar 20 milhões de toneladas em 2012.

Principais Mercados

Por destino das exportações é importante ressaltar o crescimento do comércio internacional para os mercados: Índia (131%); Irã (125%); Uruguai (50%); Malásia (48%); Egito (42%), Chile (21%); China (15%) As exportações foram negativas para os mercados da Rússia (-56%); Emirados Árabes (-31%), Países Baixos (-30,4%); Alemanha (-21%); e França (- 19%).

(Agrolink)

Compartilhe: