ARTIGO – A cidade nunca esteve tão rural

Postado em 18 maio 2013 08:15 por jeacontece
15.292.411/0001-75

Chegando a praticamente 1 trilhão do Produto Interno Bruto nacional, o agronegócio está não só transformando as propriedades do interior, como também a área urbana do Brasil. Nunca, na história, a população percebeu o quanto importante é e a grande dimensão que esse setor afeta.

A Associação Brasileira de Agribusiness (ABAG) e o Núcleo de Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) realizaram uma pesquisa para saber a influência do campo na vida das cidades.

Nos resultados obtidos, o produtor está lado a lado com outras quatro atividades consideradas fundamentais para o bom andamento de uma sociedade que são o médico, o professor, o bombeiro e o policial.

O agronegócio já é considerado um orgulho nacional. O fato é que é uma atividade praticamente privada. Independe da boa vontade dos governantes.

Os investimentos em tecnologias para o aumento da produtividade são oriundos dos próprios participantes do mercado. Pouco se vê investimentos originados de políticas públicas. Assim, já soubemos aonde é que estão os maiores gargalos que impedem uma impulsão maior rumo ao progresso. E o bom disso é que todas as regiões do país já sabem ou estão descobrindo.

As importâncias dessas pesquisas mudam a forma do próprio setor guiar seus caminhos. A atenção da gestão pública também deveria ser alterada.

A inescrupulosa forma de governar de alguns de nossos líderes coloca em xeque algumas importantes votações, como a modernização dos portos nacionais. Nem mesmo a base aliada está se entendendo para garantir esses investimentos. Reformulação das leis trabalhistas e tributárias, que já podem ser consideradas do tempo dos faraós, deveriam ser o primeiro passo para um melhor entendimento.

O interesse sobre o setor já é evidente. A sua empregabilidade já é comparada com números da indústria e da construção civil que são os ramos mais empregatícios da nação.

A rentabilidade, o grande volume financeiro despejado nos mercados locais e o padrão de vida dos grandes fazendeiros são referências para a população mais jovem que buscam atitudes mais modernas.

Culinária, mercado automobilístico e até o setor de entretenimento têm suas bases fixadas no campo. O sertanejo universitário, que teve origem nas modinhas de violas cantaroladas nos interiores do Brasil, hoje é uma febre que movimenta milhões de reais e influencia a vida de grande parte da população.

O campo mudou e se modernizou. O campo seguiu a cidade no desenvolvimento. A governança precisa olhar para esse fato novo. O agronegócio já faz parte da cidade que ajuda a captar recursos para o desenvolvimento da nação.

João Pedro Corazza
Gerente Comercial de Negócios de Commodities da Agroinvvesti

Postado em 18 maio 2013 08:15 por jeacontece
15.292.411/0001-75

NOTÍCIAS RELACIONADAS


TAPERA TEMPO

Desenvolvido com 💜 por Life is a Loop