Arqueólogos acham tumba da Idade da Pedra perto de monumento sueco

Arqueólogos descobriram evidências de um túmulo da Idade da Pedra próximo a um monumento megalítico conhecido como Stonehenge da Suécia. Restos de um local de enterro que se acredita ter 5,5 mil anos foram encontrados perto das Pedras de Ale, um conjunto de 59 pedras em um penhasco na costa do báltico sueco. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail .

De acordo com o folclore local, as pedras são o lugar de descanso final de um líder lendário conhecido como Rei Ale. Contudo, outras teorias dizem que pode ser um calendário astronômico com a mesma geometria subjacente de Stonehenge. Pesquisadores do Conselho do Patrimônio Nacional Sueco descobriram traços da antiga tumba após cavar um fosso no centro do círculo de pedra, que se acredita ter entre mil e 2,5 mil anos. “As descobertas confirmam o que acreditávamos: que isso foi um lugar especial por muito tempo”, afirmou o arqueólogo Bengt Söderberg à agência de notícias sueca TT.

A equipe encontrou diversos componentes que acredita ser evidências de um dólmen – um túmulo portal megalítico que geralmente consiste de três ou mais pedras verticais que suportam uma pedra angular grande, plana e horizontal. “Os componentes consistem em impressões de grandes pedras que pertencem a uma câmara mortuária central cercada por pedras largas e uma borda de pedras menores”, disse Söderberg aoDiscovery News.

Os arqueólogos dizem que as marcas são muito claras e deixaram o chão sólido como cimento, o que indica que as pedras tenham sido pressionadas para baixo com força. A escavação do dólmen – que tem orientação norte e sul e aproximadamente 19 m por 7 m – também revelou uma lâmina, um raspador e vários flocos de sílex. A equipe datou o túmulo como do período neolítico sueco, o que corresponde a 5,5 mil anos.

Apesar da importância da descoberta, a escavação inicial terminou, e o veio será preenchido. Especialistas afirmam que uma escavação completa será necessária para obter uma visão adequada de quem e o que está enterrado lá.
Annika Knarrström, do Conselho do Patrimônio Nacional Sueco disse ao Discovery News que o dólmen normalmente era “o túmulo de algum magnata local”. “Não precisa ser um chefe para ser enterrado aqui, pode ser um fazendeiro rico”, exemplifica. A importância da descoberta foi multiplicada pela proximidade com as Pedras de Ale, o local megalítico a cerca de 9 km ao sudeste de Ystad, em Skåne, descrito como o Stonehenge da Suécia.

O local apresenta 59 blocos, cada um pesando até 1,8 kg, dispostos como um navio de cerca de 67 m de comprimento em um penhasco com vista para o mar báltico. Arqueólogos concordavam que a estrutura megalítica teria sido feita há 1,4 mil anos, próximo ao fim da Idade do Ferro, como um monumento de enterro. No entanto, pesquisas recentes apontam que ele remonta à Idade do Bronze escandinava – cerca de 2,5 mil anos atrás – e foi construída como um calendário astronômico com a mesma geometria fundamental como o Stonehenge em Wiltshire, na Inglaterra.

Terra

Compartilhe: