A cultura da soja

Estamos semeando a nossa principal cultura, a Soja.  Ela representa 45 % da safra de grãos, colocando o Brasil como o maior exportador e segundo maior produtor mundial de Soja. Com expansão da área semeada e clima favorável, nos próximos anos seremos o produtor número um da commodity.

A Soja é a principal responsável pelo saldo positivo da balança comercial do país, e é considerada a base da economia da maioria dos municípios da região Sul e do Brasil central. Estas regiões tem como características um grande dinamismo e crescimento econômico que está acima da média nacional, nossa região é um exemplo claro disso.

Na região atendida pela Cotrisoja temos uma área de aproximadamente 50 mil hectares de Soja, sendo também a principal cultura da região. A Cotrisoja tem o desafio de fazer com que o produtor obtenha a máxima produtividade na cultura, tendo à disposição do quadro de associados, técnicos e engenheiros agrônomos aptos a levar informação e prestar a assistência técnica necessária, desde o plantio até a colheita.

Com o principal objetivo de obter a máxima rentabilidade precisamos estar atento a fatores que influenciam diretamente na produtividade da cultura, fatores estes que tem a ação direta do homem, tais como a dessecação em pré e pós-plantio, a escolha da variedade, tratamento de sementes, a densidade de semeadura, a adubação, os defensivos a serem aplicados e a Assistência Técnica, e para finalizar a boa colheita.

Dessecação pré-plantio
A dessecação começa a ser feita cerca de um mês antes do plantio, muitas vezes tendo que repetir a aplicação, ou seja, aplicação sequencial, para que realmente tenhamos o controle efetivo das ervas, principalmente as mais resistentes, como a Buva (conyza bonariensis) e Azevém (Lolium multiflorium). Precisamos realizar o plantio no limpo.

Variedade
Variedade a ser plantada deve ser a melhor, a que o produtor já conhece, o que vai facilitar o manejo. As variedades resistentes a glifosato e às lagartas com certeza serão as mais produtivas, pelo grande ataque de lagartas que tivemos no ano passado. Já está surgindo também a Soja Inox. A pesquisa explica que o gene resistente à ferrugem asiática presente nas cultivares Inox permite à planta maiores condições de conviver com a doença no campo.

Tratamento de sementes
O tratamento e proteção da semente deve ser feito para o caso de alguma adversidade climática, para que tenhamos ela protegida para melhor germinação e vigor. Trata-se hoje com inseticidas, fungicidas e inoculantes, este último na hora do plantio. Os inseticidas protegem a planta até seus 20 – 25 dias de emergida contra as pragas iniciais na cultura, já os fungicidas protegem contra fungos que se encontram na semente e no solo, e o inoculante é o responsável pela fixação biológica do nitrogênio.

Densidade de semeadura
De modo geral sinalizamos como uma boa semeadura 250 a 400 mil sementes por hectare. É recomendado sempre realizar uma análise de germinação e vigor, para ver se a semente está apta a ser plantada. Precisamos ter no mínimo 200 mil plantas por hectare, isso interfere diretamente na produtividade da soja. A decisão de quantas sementes também depende da variedade, porte da planta, ciclo determinado e/ou indeterminado.

Adubação
Para obter a máxima produtividade precisamos conhecer nosso solo. Primeiramente se faz necessário realizar uma boa análise e correção, se necessário. O PH ideal é 6,0 onde nesta situação teremos o máximo de aproveitamento dos outros nutrientes, todos os nutrientes são importantes para cultura, a quantidade absorvida e exportada de nutrientes para produção de 1 tonelada de grãos de soja:


Falando em macros nutrientes pensamos logo nitrogênio, fósforo e potássio, mas temos outros macros que são absorvidos pela planta de soja, igualmente ou superior aos macros primários. O enxofre é um exemplo disso, conforme a tabela acima, a extração é igual a muitos nutrientes primários.

Micronutrientes:
Os micronutrientes são absorvidos pelas plantas em gramas por tonelada de grão, onde também tem grande importância para termos uma boa produtividade. São eles os mais importantes para cultura da soja:  ferro, manganês, boro e zinco, cloro entre outros. A adoção de bioestimulantes (adubos foliares) é totalmente viável onde já temos trabalhamos há anos com produtos reconhecidos e obtemos resultados positivos com essa técnica.

Não há uma receita de bolo para fazermos a adubação nas culturas ou no sistema de plantio, e sim precisamos ter conhecimento da área, realizar o plantio direto na palha (reciclador de nutrientes), realizar uma boa analise de solo, adotar o mapeamento de fertilidade (agricultura de precisão), e viver de experiências nossas e de outros que utilizaram ferramentas para obter a maior produtividade.

Defensivos agrícolas
Defensivos agrícolas são produtos que controlam plantas invasoras (herbicidas), insetos (inseticidas), fungos (fungicidas), bactérias (bactericidas), ácaros (acaricidas) entre outros.

A lavoura de soja é umas das que mais tem aplicações de defensivos, onde no ciclo da cultura podemos entrar na lavoura até oito vezes para controle de invasoras, pragas e fungos. Não vamos citar produtos por termos vários no mercado e muito eficientes para proteção das plantas e o do meio ambiente, sempre seguindo a recomendação de uso, época e equipamento de aplicação.

Os defensivos são indispensáveis para produção de alimentos, temos que utilizar sempre sob a recomendação de um Engenheiro Agrônomo ou Técnico Agrícola.

Assistência Técnica

Hoje precisamos ter o acompanhamento quase que integral de um consultor técnico seja ele Agrônomo ou Técnico Agrícola, este é o profissional que vai auxiliar o produtor para tomada de decisão, levando em consideração vários fatores, a começar pela experiência do próprio agricultor, nutrição da planta, fertilidade e tipo de solo, escolha da cultivar, densidade e época de plantio, dosagens diversas, ajuste de equipamentos, controle de pragas e invasoras, etc.

Gerson Kuffel

Compartilhe: