Cruz Alta retorna a bandeira vermelha

Após duas semanas consecutivas sem registro de bandeira vermelha no distanciamento controlado no Rio Grande do Sul, as regiões de Cruz Alta, Ijuí e Santo Ângelo obtiveram piora nos indicadores da pandemia e voltaram à classificação de alto risco epidemiológica.

Na rodada anterior do modelo, as regiões de Bagé, Cachoeira do Sul e Palmeira das Missões estavam em bandeira amarela, mas obtiveram piora nos indicadores e voltaram à classificação laranja.

Segundo o governo gaúcho, chamou a atenção nas últimas duas semanas o registro de novas hospitalizações por Covid-19, que obteve aumento de 21% – de 739 para 897 –, o que repercutiu sobre a elevação de 13% das internações em leitos clínicos pela doença. O número de óbitos também cresceu 11% no período, subindo de 213 para 236. As internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em UTI, no entanto, caíram 7% e houve estabilidade dos confirmados com Covid-19 em UTI.

As regiões com maior número de novos registros de hospitalizações nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, são Porto Alegre (326), Canoas (77), Caxias do Sul (72), Novo Hamburgo (66) e Passo Fundo (53).

O Executivo destaca que o monitoramento diário desses indicadores permitirá identificar se essas oscilações são pontuais ou se serão mais consistente ao longo do tempo. Por isso, enfatiza a necessidade de a população reforçar os cuidados pessoais e o distanciamento pessoal, além de evitar ao máximo as aglomerações.

Pedidos de reconsideração das classificações de risco podem ser feitas pelas prefeituras e associações regionais por meio de formulário eletrônico até as 6h de domingo (25). A vigência do mapa passa a valer a partir da 0h de terça-feira (27), e se encerra às 23h59min de segunda-feira (2).

Rádio Cidade e jornal O Alto Jacuí