Suicídio deve ser discutido e alertado, avalia psiquiatra

Geralmente a pessoa que está em depressão começa a perder o interesse por atividades rotineiras.

O suicídio ainda é um assunto pouco discutido e alertado nas famílias. Campanhas como o Setembro Amarelo foram criadas para colocar o tema em discussão e alertar sobre um problema silencioso.

A dentista Barbara Machado Padilha, que estava desaparecida, foi encontrada morta em Santa Maria na última quarta-feira. As autoridades informaram que aparentemente ela cometeu suicídio. O apontamento é preliminar diante das comprovações que ela foi até a cidade por vontade própria.

Barbara teria premeditado a viagem, deixou pra trás pertences, desligou o celular e não teve contato com ninguém. O corpo foi encontrado de forma curiosa em uma mata fechada. Ela estava com aliança e outras joias de ouro, mostrando que não teria sido assaltada.

O que chama a atenção é que ela não deu sinais em casa de que estaria em depressão. Pessoas próximas alegam que Barbara não tinha perfil depressivo e que realmente tudo mudou rapidamente nos últimos dias.

Sobre o assunto a Uirapuru conversou com o Dr. Jorge Alberto Salton, médico especialista em psiquiatria. O Dr. Salton explicou que é preciso ficar atento a mudanças de comportamento. Geralmente a pessoa que está em depressão começa a perder o interesse por atividades rotineiras que envolvem o bem estar, por exemplo.

Quem passa por este problema vive um momento de indecisão, transitando entre decidir tirar a vida ou voltar atrás. O médico alertou que é preciso notar estes sinais, sentar e conversar com quem passa por um quadro de tristeza. O médico também explicou que o suicídio deve ser discutido e alertado nas famílias. Somente com a prevenção é possível evitar o pior.

Rádio Uirapuru