PASSO FUNDO – Dia Mundial Sem Tabaco discute “Tabagismo e Coronavírus (Covid-19)”

Tabaco é o maior fator de risco evitável de adoecimentos e mortes no mundo. Além disso, é uma condição importante para complicações da Covid-19 e transmissão do coronavírus

No domingo, 31 de maio, ocorre o Dia Mundial sem Tabaco. Em 2020, o tema escolhido no Brasil pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA) é “Tabagismo e Coronavírus (Covid-19)”. Mas afinal, o que esses assuntos têm em comum? Os dois são considerados uma pandemia. O tabagismo causa mais de oito milhões de mortes por ano no mundo. No Brasil, estima-se que 438 pessoas morrem por dia em decorrência do consumo do tabaco. Além disso, é uma condição importante para complicações da Covid-19, que já matou mais de 350 mil pessoas no mundo em poucos meses, sendo cerca de 25 mil somente no Brasil.

O tabagismo é uma doença crônica, causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco, e é o maior fator de risco evitável de adoecimentos e mortes no mundo. O tabaco causa diferentes tipos de inflamação e prejudica os mecanismos de defesa do organismo. “Por esses motivos, os fumantes têm maior risco de infecções por vírus, bactérias e fungos. Os fumantes são acometidos com maior frequência de infecções como sinusites, traqueobronquites, pneumonias e tuberculose”, explica o oncologista clínico do Centro de Tratamento do Câncer (CTCAN), Dr. Alex Seidel.

Fumantes têm mais chances de desenvolver a forma severa da Covid-19
O tabagismo também é uma condição importante para complicações da Covid-19, que é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que apresenta um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves. “Devido a um possível comprometimento da capacidade pulmonar, o fumante possui mais chances de desenvolver sintomas graves da doença”, destaca Seidel.

Tabaco é fator de risco para o contágio do coronavírus
O ato de fumar proporciona constante contato dos dedos com os lábios, aumentando a possibilidade da transmissão do vírus para a boca. “De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), ao levar as mãos não higienizadas à boca para fumar, pode-se contrair o vírus. Tabagistas têm seu sistema respiratório prejudicado pelo fumo, e, portanto, se infectados pelo coronavírus, podem ter sua saúde ainda mais ameaçada”, enfatiza o oncologista do CTCAN.

Tabagismo e o câncer
O tabaco continua liderando o ranking de fatores de risco para o desenvolvimento de tumores e está associado a mais de 10 tipos de câncer, sendo responsável por cerca de 30% das mortes por câncer. “O cigarro contém mais de 7 mil substâncias químicas diferentes, dos quais mais de 70 são conhecidas por serem cancerígenas ocasionando mutações do DNA. Estudos realizados evidenciaram que pessoas que fumam um maço por dia, em média, desenvolvem cerca de 150 mutações genéticas adicionais a cada ano em seus pulmões, e é por isso que os fumantes possuem um risco maior de desenvolver câncer de pulmão, por exemplo”, salienta Seidel.

O tabagismo constitui fator de risco para o desenvolvimento dos seguintes tipos de câncer: leucemia mielóide aguda; câncer de bexiga; câncer de pâncreas; câncer de fígado; câncer do colo do útero; câncer de esôfago; câncer de rim e ureter; câncer de laringe (cordas vocais); câncer na cavidade oral (boca); câncer de faringe (pescoço); câncer de estômago; câncer de cólon e reto; câncer de traqueia, e principalmente o câncer de pulmão. Em 90% dos casos de câncer de pulmão, o tabagismo é o fator causador da doença.

Benefícios de parar de fumar
Os benefícios para quem larga o cigarro, por sua vez, começam a serem sentidos rapidamente. “Cerca de 20 minutos após a última tragada, já se observa a regularização dos batimentos do coração. Dez anos sem fumar significam reduções importantes nos riscos de infarto, derrame e câncer de pulmão”, revela o oncologista do CTCAN.

Confira algumas orientações para quem deseja para de fumar:
1. Marque uma data ainda esta semana para deixar de fumar.
2. Enquanto não chega o dia que você marcou, reduza o número de cigarros diariamente, começando pelo adiamento do primeiro cigarro do dia. Não fume logo depois do café da manhã, do almoço, do lanche e do jantar. Essas medidas ajudam a diminuir o número de cigarros e vão preparando seu corpo para o dia da parada.
3. Um dia antes da data que marcou para deixar de fumar, quando for dormir, molhe com água todos os cigarros que sobraram no maço e jogue-os no lixo.
4. Não deixe nenhum cigarro para o dia seguinte porque, se tiver vontade de fumar e não tiver cigarros em casa, você terá mais sucesso, até porque você não sairá para comprar porque não se deve sair à rua devido ao risco da contaminação pelo coronavírus.
5. Se der vontade de fumar, lembre-se que “a vontade de fumar só dura cinco minutos”. Para se distrair nesses cinco minutos: ligue a televisão, tome um banho, coma uma fruta, faça um exercício respiratório… Enfim, faça alguma atividade para esse tempo passar.
6. Lembre-se de que essa vontade de fumar irá diminuir à medida que os dias forem passando. Tenha paciência.
Fonte: Inca

Assessoria de Imprensa CTCAN