Mais de três toneladas de drogas são apreendidas pela PRF em 2019

No caso da maconha volume é considerado recorde pelos policiais rodoviários federais do Núcleo de Operações de Sarandi. Apreensões também resultaram emcerca de 35 prisões por tráfico

Em pouco mais de meio ano, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), do Núcleo de Operações de Sarandi – que abrange as Unidades Operacionais da PRF de Seberi, Sarandi, Passo Fundo, Erechim e Lagoa Vermelha – já apreendeu um volume de drogas maior do que todo o ano de 2017 e 2018.

De acordo com dados repassados pela PRF, entre 1º de janeiro de 2019 até o dia 13 de agosto passado, os policiais apreenderam 3,014 toneladas de maconha, 85 kg de cocaína, 2,9 kg de rachiche e 1,4 kg de crack. Além disso, no mesmo período foram presas cerca de 35pessoas pelo crime de tráfico de drogas, incluindo estrangeiros.

Conformeo Chefe do Núcleo de Operações de Sarandi da PRF, Cleverson Batista, a quantidade de maconha apreendida neste ano é recorde.

“Essas mais de três toneladas da droga apreendidas é um número recorde na delegacia de Sarandi. Até, então, o recorde havia sido registrado em 2016, quando 2,8 toneladas tinham sido apreendidas na região naquele ano”, informa Batista.

Porta de entrada para entorpecentes
Na visão de Cleverson Batista, a quantidade recorde de apreensões de drogas neste pouco mais de meio ano é explicada pela posição geográfica da região, considerada área de fronteira, e ao trabalho concentrado realizado pela PRF.

“Isso é fruto de um trabalho intenso das nossas equipes. Mesmo que tenhamos efetivo reduzido, procuramos concentrar as ações e isso tem dado resultado. Além disso, temos essa característica da região ser considerada uma região de fronteira. Classificamos que estamos na ‘porta do Rio Grande do Sul’ e temos trabalhado nessas entradas, tendo em vista que todas as nossas ações aqui refletem no Estado todo, porque a droga que passa por aqui, não necessariamente ela fica ou ficaria por aqui. Em via de regra, ela segue para outras regiões, incluindo a Região Metropolitana, que é um grande consumidor de entorpecentes”, contextualiza Batista.

Ainda conforme o Chefe do Núcleo de Operações da PRF de Sarandi, as apreensões de entorpecentes neste ano aconteceram em carros, caminhões e até em ônibus, com a droga sendo transportada por passageiros.

Além da quantidade de maconha, o montante de cocaína apreendida neste ano também se destaca, já que conforme Batista, a substânciaapanhada pela PRF é conhecida como pasta base de cocaína. “Essa pasta depois de transformada, ela aumenta muito, ou seja, esse volume de pasta base apreendido, no fim, vai resultar em uma quantidade muito maior de droga”, explica o policial rodoviário federal.

Por fim, Batista conclui que as iniciativas que estão sendo pensadas e implementadas por governos municipais e estadual com foco no uso de câmeras de videomonitoramento, são ações positivas que refletem também nas rodovias.

“Toda tecnologia quando empregada no meio da segurança pública vem a otimizar o trabalho. Então, o uso da tecnologia em todas as áreas é interessante e na segurança pública, que é uma área tão comentada, ela é ainda mais bem vinda. Todo investimento nesse segmento traz um retorno rápido para a sociedade”, afirma Cleverson Batista.

Quantidade de drogas apreendidas neste ano*
Maconha – 3,014 toneladas
Cocaína – 85 kg
Haxixe – 2,9 kg
Crack – 1,4 kg
Pessoas presas – em torno de 35

Diário da Manhã