IBIRUBÁ – Potreiro do Gabe no centro de mais uma polêmica

O movimento SOS Potreiro do Gabe, criado no começo do ano, visa preservar o conhecido pelos ibirubenses “Mato do Gabe”. Sua história já foi amplamente contada nas páginas do O Alto Jacuí. Esse movimento tem como objetivo preservar aquela parte de terra, uma área de mata nativa e pensar novas estratégias de preservação ambiental para se construir uma área de lazer para a comunidade.

O movimento nos últimos meses intensificou suas ações e está mantendo grupos no Facebook e WhatsApp, intitulado S.O.S Campo do Gabe. Esses espaços se tornaram um local para discussão sobre políticas públicas em relação ao meio ambiente, e pensar estratégias para que o Mato do Gabe se mantenha como cartão postal em Ibirubá.
Entre as ações do movimento estão reuniões com as lideranças municipais para em conjunto encontrar uma solução viável, para todos os envolvidos, de preservação do local.

A comunidade em geral vem apoiando a causa do S.O.S Potreiro do Gabe e fiscalizando o local, com fotos das modificações que estão ocorrendo. Entre essas modificações estão colocação de terra e entulhos junto ao campo. Os atuais proprietários foram procurados pela nossa redação e não quiseram se manifestar, mas deixaram claro que qualquer modificação está dentro da legalidade.

Após essas modificações no campo a comunidade enviou denúncias ao órgãos ambientais, responsáveis pela fiscalização de áreas de preservação, como a Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler), além de postagens sobre essas modificações. Com isso, um dos proprietários do local, denunciou 15 pessoas, integrantes do movimento, como perturbação. Todos foram chamados até a Polícia Civil e tiveram que esclarecer seus posicionamentos e comentários nas postagens do S.O.S Campo do Gabe. Após esse fato, nossa redação procurou líderes do movimento, o jornalista Clóvis Messerschmit e Carlos Guimarães, para esclarecer a situação. Eles optaram em se manifestar através de nota de esclarecimento, reproduzida abaixo.

Em contato com um dos investidores da área, Paulo Bonfanti, empresário do ramo imobiliário, o mesmo preferiu não se manifestar publicamente e apenas respondeu o seguinte a nossa equipe: “A área é particular, não tem por que falar sobre um empreendimento privado”. Bonfanti esclarece que existe uma avaliação sobre o que será feito com o espaço. “Estamos dentro da lei e já fomos fiscalizados por vários órgãos ambientais, os quais constataram que está tudo legalizado” frisou.

O grupo S.O.S lançou através das suas redes socais uma nota oficial a comunidade. Confira a íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
O movimento SOS Potreiro do Gabe, vem a público informar, que a mobilização hoje existente em defesa da área, trata-se de uma aliança entre os munícipes e apreciadores da causa ambiental e, de nenhuma forma, tem o intuito de prejudicar ou denegrir a imagem de alguém, incluindo os atuais proprietários da área.

Sabemos também que a população tem o direito de receber informações, ser consultada e participar dos processos de decisão sobre políticas públicas, projetos ou atividades que afetem a qualidade de sua vida e que tenham impactos relevantes para o meio ambiente.

Devido a alguns comentários e ações desnecessárias, achamos por obrigação e dever, novamente colocar a todos o nosso principal objetivo:
Preservar o Potreiro do Gabe (área remanescente da propriedade do Sr. Edgar Gabe), tentando evitar o loteamento ou construções na área e, principalmente, lutar pela criação de um parque ecológico e de recreação, visando assim melhorias ao meio ambiente e proporcionando à população uma excelente área de lazer.

A transformação da área em patrimônio público, com toda a certeza, será com a devida e justa remuneração aos seus proprietários. O grupo se reuniu recentemente para debater e conseguir recursos públicos com a atual administração municipal, tendo sido recebido com simpatia e a promessa de que estudaria uma forma de viabilizar a intenção de transformar a área em uso comum, a fim de termos um verdadeiro cartão postal da cidade.

Defendemos uma democracia participativa, em que a população não apenas contribua para preservar o meio ambiente, mas também fiscalize as políticas ambientais e denuncie as irregularidades e os possíveis crimes ambientais que chegarem ao seu conhecimento.

Ibirubá, 10 de maio de 2019.
COMISSÃO POTREIRO DO GABE

Rádio Cidade FM / O Alto Jacuí