CARAZINHO – Exposição traz trajetória da arqueologia no RS

Chegou ontem no Museu Olívio Otto, em Carazinho, o material inédito “A Trajetória da Arqueologia no Rio Grande do Sul”, relembrando e explicando sobre o passado do nosso Estado

[Um projeto itinerante, concebido por iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), através da Superintendência do Rio Grande do Sul, e financiado pelo Fundo de Apoio a Cultura no Estado, a exposição “A Trajetória da Arqueologia no Rio Grande do Sul” chegou em Carazinho para relembrar o passado e recontar a construção do Estado a partir das vivências e costumes dos povos que chegaram aqui primeiro. “Essa exposição conta um pouco da nossa história, do nosso Estado, falando a respeito dos primeiros povoados que existiram aqui, o modo de vida das populações, fazendo uma descrição do ambiente em que viviam”, explicou o produtor cultural Manuel Jacinto Rosa Dias.

A exposição está aberta no Museu Olívio Otto até o dia 1° de junho
Segundo Dias, responsável por apresentar a exposição durante a abertura que aconteceu ontem (7), o material também tem o objetivo de mostrar a arqueologia como uma alternativa, uma área de grande desenvolvimento profissional. “É uma exposição muito bonita, com textos de linguagem acessível. Muito interessantes as imagens que têm, o documentário também que fala a respeito do projeto e, inclusive, está sendo doado para o município com todo o conteúdo referente ao projeto”, contou o produtor cultural, que ainda salienta que a exposição pode servir de material didático, podendo ser ofertado para as escolas.

Para o coordenador do Museu Olívio Otto, Claudio Braun, a temática que a exposição traz, remontando a história da arqueologia do RS, tem a ver totalmente com a história e propósito do museu. “Esse é um estudo bastante aprofundado, uma exposição muito legal. Para o público, os estudantes, vai ser uma exposição além da curiosidade, tem o conhecimento cultural e histórico, entrando diretamente em contato com os conteúdos que estudam em aula”, enfatizou Braun, que também afirma que as escolas já foram convidadas a visitar a exposição e que várias já agendaram o passeio.

Capacitação
Produtor cultural, Manuel Jacinto Rosa Dias
Além da exposição, que está disponível até o dia 1° de junho, o projeto também engloba uma palestra sobre a história da arqueologia, que está marcada para o dia 14 deste mês, às 19h, no Museu e que tem como público-alvo professores das áreas de história e geografia, principalmente das séries iniciais. “Eles aprendem sobre isso e agora podem vir até aqui ver os acervos, a história contada a partir de fragmentos deixados pelos povos antigos, para que saibamos como viviam, do que se alimentavam, é uma narrativa bem legal”, explicou o coordenador do Museu.

De acordo com Dias, trata-se de um material rico e interessante que conta com o envolvimento de diversos profissionais e que a palestra que está marcada vai ser com o historiador colaborador da exposição, André Soares. “Ele vai falar do projeto, do conteúdo, de tudo que está apresentado aqui”, complementou o produtor cultural, salientando também que a exposição está circulando por seis municípios do RS, sendo o próximo destino a cidade de Marau.

Serviço
O projeto integra a comemoração do Dia Internacional dos Museus, instituída pelo ICOM no dia 18 de maio e no Brasil na 17ª Semana Nacional de Museus, que acontece de 13 a 19 de maio e tem como tema: Museus como Núcleos Culturais – O Futuro das Tradições.

Em função destas datas comemorativas neste mês, a entrada no museu será gratuita. Horário da exposição: de terça a sexta-feira das 8h30min às 11h30min e das 14h às 17h; sábado das 14h às 17h. Visitas em grupo e de escolas devem ser agendadas antecipadamente pelo telefone (54) 3331-2699 – ramal 152.

(Diário da Manhã)