Falecimento: Padre Paulo Augusto Farina

A Arquidiocese de Passo Fundo comunica e lamenta o falecimento do padre Paulo Augusto Farina – superintendente da Fundação Beneficente Lucas Araújo e, também, primeiro diretor da Rádio Planalto.

O falecimento aconteceu por volta das 23h deste domingo, 13, em função de uma hemorragia provocada por um tumor. O corpo está sendo velado nesta segunda-feira, na Catedral Metropolitana, em Passo Fundo. A Celebração das Exéquias e Missa de Corpo Presente será realizada também na Catedral, às 16h.

Vida e testemunho
Vindo de uma família de cinco irmãos, padre Paulo Augusto Farina nasceu no dia 24 de junho de 1929, em Alfredo Chaves – hoje Veranópolis -, onde passou sua infância. Mais tarde, entre os anos de 1950 e 1956, estudou Filosofia e Teologia, no Seminário Central Nossa Senhora da Conceição, em São Leopoldo.

Em 1970, iniciou a faculdade de Direito na Universidade de Passo Fundo, concluindo o curso em 1974. Em 1977, foi licenciado em Filosofia pela mesma Universidade. Antes disso, em 1971, se tornou jornalista profissional através do Decreto 65912 e, em 1980, radialista pela Lei 6.615.

Sua vocação surgiu a partir da aproximação da família com a Igreja. Aos poucos, o jovem foi sentindo o chamado e, logo, ingressou no Seminário, em Gravataí. Foi ordenado padre em 1956, na paróquia São Luiz Gonzaga, em Veranópolis, por dom Antônio Zattera e, desde então, procurou seguir o lema escolhido: “Jesus, ser vosso e levar todos a Vós”. Em entrevista a Dom Ercílio Simon, em setembro de 2006, para o livro “Nossos Padres, nossos heróis”, padre Paulo destacou que a proposta do seu lema sempre foi de dedicar a vida a Cristo. “No nosso raciocínio, no nosso sentimento, além de mantermo-nos fiéis ao Senhor, o desempenho, a nossa doação de vida, só valeria a pena, se arrebatássemos um bom rebanho, se conquistássemos muitos outros operários para as vinhas do Senhor”.

Desde a sua ordenação, atuou como vigário paroquial na Catedral Metropolitana, em Passo Fundo – onde já havia exercido o subdiaconato. Em 1956, logo que ordenado, foi encarregado do Asilo Lucas Araújo – hoje Fundação Beneficente Lucas Araújo -, onde dedicou sua vida, esforços e atenção e atuou até a sua morte como superintendente. Também esteve junto à Juventude Operária Católica e aos Vicentinos. Em 1969, se tornou o primeiro diretor da Rádio Planalto, cargo exercido até 1983.

Também atuou como Cônego do Cabido Diocesano e como diretor da Cáritas Diocesana. Em relação ao seu trabalho e ministério – especialmente junto à Fundação e à Rádio Planalto -, padre Paulo destaca, no mesmo livro, que foram tempos de felicidade e entrega. “Posso dizer que nem vi o tempo passar. Considero-me realizado, apesar das muitas pedras ao longo do caminho. Manter-se firme na missão nos dias de hoje é quase um heroísmo. Valeu a pena nadar contra a correnteza. Sentimos agora o sabor da vitória e da realização. O testemunho de tantos leigos fiéis e sinceros, nos ajudaram a manter-nos no barco da Igreja, no caminho traçado para nós. A missão do sacerdote com certeza não é sombra e água fresca, mas vale a pena. Vale muito a pena”.

Pedimos que neste momento a comunidade possa se unir em oração pelos familiares e amigos do padre Paulo Farina e que Deus lhes dê o conforto necessário nesse momento de dor.

Sammara Garbelotto – Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Passo Fundo