Aumenta o número de candidatos na região

Ao todo, Passo Fundo e Carazinho apresentam 29 nomes para a disputa eleitoral de 2018, confirmados nas convenções partidárias que encerraram no último fim de semana

Encerrou no último domingo (5) o prazo para os partidos políticos realizarem as convenções e homologar as candidaturas dos filiados para as eleições 2018. Tanto no cenário nacional quanto no prisma político estadual, as principais mudanças ocorreram de última hora e impactaram diretamente na corrida ao Planalto e ao Piratini. Para a presidência da República, os brasileiros terão de escolher entre os 13 candidatos apresentados pelas siglas. Ao governo do RS, outros 8 nomes irão compor as chapas majoritárias definidas pelas legendas. Para as candidaturas de deputado federal, estadual e ao Senado, Passo Fundo registrou aumento no número de candidaturas em relação a 2014. Carazinho, por sua vez, manteve o mesmo número de candidaturas, embora com variação entre os partidos. A partir de agora, as legendas poderão registrar seus candidatos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até 15 de agosto, às 19h. Em seguida, caberá ao Ministério Público Eleitoral (MPE), qualquer candidato, partido político ou coligação impugnar o registro do adversário político.

Disputa ao Planalto

Álvaro Dias (Podemos)
O senador Álvaro Dias vai compor a chapa com o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, do PSC, que iria lançar chapa própria mas voltou atrás e firmou aliança com o Podemos na majoritária.

Cabo Daciolo (Patriota)
A convenção nacional do Patriota oficializou a candidatura do deputado federal Benevenuto Daciolo Fonseca dos Santos, o Cabo Daciolo. A candidata a vice é Suelene Balduino Nascimento, do mesmo partido.

Ciro Gomes (PDT)
Ciro Gomes será candidato à Presidência da República pelo PDT. Esta é a terceira vez que Ciro Gomes concorre ao Planalto: em 1998 e 2002. A senadora Kátia Abreu (PDT) será a vice de Ciro na chapa.

Geraldo Alckmin (PSDB)
O PSDB confirmou, no último sábado (4), a candidatura do presidente do partido e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República. A senadora Ana Amélia (PP-RS) é a vice na chapa.

Guilherme Boulos (PSOL)
O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores SemTeto (MTST), Guilherme Boulos, concorre à Presidência da República pelo PSOL. Sônia Guajajara é a candidata à vice-presidente.

Henrique Meirelles (MDB)
O MDB confirmou o nome de Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda, como candidato à Presidência da República. O partido informou que Germano Rigotto, ex-governador do Rio Grande do Sul, será o vice na chapa.

Jair Bolsonaro (PSL)
O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), 63 anos, foi confirmado, no dia 22 de julho, como o candidato à Presidência da República nas eleições deste ano pelo PSL. O vice é o general Hamilton Mourão, do PRTB.

João Amoêdo (Partido Novo)
João Dionisio Amoêdo foi oficializado candidato à Presidência da República juntamente do cientista político, Christian Lohbauer, que foi escolhido como candidato à vice-presidente.

João Goulart Filho (PPL)
O PPL lançou, no domingo (5), João Goulart Filho como candidato à Presidência da República. Ele é filho do ex-presidente João Goulart, o Jango. O candidato a vice é Léo Alves, professor da Universidade Católica de Brasília.

José Maria Eymael (DC)
O partido Democracia Cristã (DC) confirmou a candidatura de José Maria Eymael à Presidência da República, nas eleições de outubro, e do pastor da Assembleia de Deus Helvio Costa como vice-presidente.

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
O ex-presidente Lula foi escolhido, no último sábado (4), para ser o candidato à Presidência da República pelo PT. O encontro também homologou o apoio do PCO, PROS e do PC do B à candidatura do PT. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso em Curitiba, desde 7 de abril, após ter sido condenado em segunda instância no caso do triplex de Guarujá. O vice provisório na chapa é Fernando Haddad (PT). Caso o TSE determine que Lula não possa concorrer, Haddad assumiria a majoritária e Manuela D’Ávila assumiria o posto de vice na chapa.

Marina Silva (Rede)
A primeira convenção nacional da Rede Sustentabilidade confirmou o nome Marina Silva como candidata da sigla à Presidência da República. O candidato à vice na chapa é Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV).

Vera Lúcia (PSTU)
O PSTU oficializou, ainda no dia 20 de julho, a candidatura de Vera Lúcia à Presidência da República e de Hertz Dias como vice na chapa. O PSTU decidiu que não fará nenhuma coligação para a disputa presidencial.

Corrida ao Piratini

PCdoB
Governadora: Abigail Pereira (PCdoB)
Vice: Tiago Souza da Silva (PCdoB)

PSDB
Governador: Eduardo Leite (PSDB)
Vice: Ranolfo Vieira Júnior (PTB)

PDT
Governador: Jairo Jorge (PDT)
Vice: Cláudio Bier (PV)

MDB
Governador: José Ivo Sartori (MDB)
Vice: José Paulo Cairoli (PSD)

PSTU
Governador: Julio Flores (PSTU)
Vice: Ana Clélia Schneider (PSTU)

Novo
Governador: Mateus Bandeira (Novo)
Vice: Bruno Miragem (Novo)

PT
Governador: Miguel Rossetto (PT)
Vice: Ana Affonso (PT)

PSOL
Governador: Roberto Robaina (PSOL)
Vice: Camila Goulart (PSOL)

Bastidores

Dois pontos principais se destacam na corrida ao governo do Estado. O primeiro deles diz respeito a composição da chapa presidencial do PSDB que refletiu em mudanças no cenário gaúcho. Isso porque com o “sim” de Ana Amélia Lemos (PP) para compor chapa com Alckmin, o Progressistas negociou a retirada da candidatura de Heinz para o Governo do RS e em contrapartida, lançou o político para o Senado. Outro fator é em relação ao PDT e o PV. A nível nacional, o PV compõe chapa com Marina, da Rede. Já o PDT apresenta outra chapa majoritária, a de Ciro, para a presidência. A conclusão é que as alianças nos estados muitas vezes não refletem os acordos a nível nacional.

Número de candidaturas na região aumenta

Em relação a eleição de 2014, o número de candidaturas pela região aumentou. No último pleito, Passo Fundo concentrava 21 nomes. Este ano, serão 23 candidatos que concorrerão aos cargos de deputado estadual, federal, senado e ao governo do RS. 12 candidaturas disputam uma vaga na Assembleia Legislativa. Outras sete buscam uma das cadeiras na Câmara Federal. Três nomes são cotados para o Senado e outra candidatura compõe a chapa majoritária na disputa pelo Piratini.

Deputado Estadual (12)
Mariniza dos Santos (PT)
Mateus Wesp (PSDB)
Evandro Zambonato (PSDB)
Juliano Roso (PCdoB)
Gilberto Capoani (MDB)
Airton Dipp (PDT)
Valdair Gomes (PR)
Eduardo Peliciolli (Podemos)
Cacá Nedel (Podemos)
Adriana de Costa (PV)
Anthony Andreolla (PSD)
José Carlos Carles de Souza (PSD)

Deputado Federal (7)
Alex Necker (PCdoB)
Eloí da Costa (MDB)
Saul Spinelli (PSB)
Márcio Patussi (PDT)
Rodinei Candeias (PP)
Cajar Nardes (Podemos)
Celso Dalberto (PSOL)

Senado (3)
Beto Albuquerque (PSB)
Marli Schaule (PSTU)
João Augusto de Moraes Gomes (PSTU)

Governo do RS (1)
Ana Clélia Schneider, vice -governadora (PSTU)

Carazinho terá três concorrentes ao Congresso e três à Assembleia
Alessandro Tavares
alessandro@diariodamanha.com

Em Carazinho, o número de candidatos a deputado federal com domicílio eleitoral na cidade é o mesmo que o de 2014, embora variem os partidos. Márcio Biolchi do MDB deve tentar o segundo mandato a deputado federal. Já o deputado federal Ronaldo Nogueira, que está em seu segundo mandato pelo PTB vai concorrer novamente a uma das cadeiras do Congresso. O inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Celso Morais é o representante local do PSL na disputa. Na comparação com as Eleições de 2014, o PSB não terá representante local. Na época, Mauro Locatelli concorreu pelo partido. Neste ano, a sigla não terá representante local na disputa ao Congresso e nem à Assembleia Legislativa. Já o número de candidatos a deputado estadual diminuiu e os partidos também variaram. Nas eleições de 2014, foram quatro candidatos: o ex-prefeito Aylton Magalhães pelo Partido Progressista (PP), Otto Gerhardt era o representante do PT, o então vereador Paulino de Moura concorreu pelo Solidariedade e Flávio Lammel foi candidato na época pelo PDT. Atualmente, Lammel está filiado ao PTB e é coordenador regional de campanha. Nenhum dos que concorreu em 2014 ocupa cargo eletivo atualmente. Dos partidos que colocaram nomes locais nas Eleições gerais de 2014 somente o PDT terá representação neste pleito. Trata-se do ex-vereador e ex-prefeito de Coqueiros do Sul, Acácio Souza, hoje com domicílio eleitoral em Carazinho. A assistente social e empresária Katia Alberti Soares concorre pelo PRB. A fonoaudióloga Maria Luiza Locatelli concorrerá pelo PSL.

Diário da Manhã