SANTO ANTÔNIO DO PLANALTO – Equipe de Saúde atuante na saúde do escolar santo-antoniense

Informar, alertar e prevenir contra o vírus do HPV. Essa é a missão da equipe do Programa da Saúde na Escola (PSE) de Santo Antônio do Planalto. Uma série de ações são desenvolvidas em 2018 na Escola Municipal para prevenir doenças em meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11,12, 13 e 13 anos, 11 meses e 29 dias.

O HPV é um vírus cujo nome é Papiloma Vírus Humano. Sua transmissão se dá principalmente por via sexual, sendo o responsável por casos de câncer de colo de útero. Cerca de 50% dos indivíduos, homens ou mulheres, terá contato com algum tipo de HPV após dois anos de vida sexual ativa.

As equipes fazem palestras e orientações com os alunos das escolas para informá-los sobre o que é o HPV, como as pessoas ficam vulneráveis, e a importância de se prevenir. Feita essa primeira parte, os alunos levam uma documentação para que os pais possam assinar, autorizando que o jovem tome a vacina. O objetivo é priorizar pessoas mais jovens e que ainda não tenham iniciado as atividades sexuais, tendo assim, mais chances de prevenção.

A vacina contra HPV quadrivalente é composta pelos vírus 16, 18, 6 e 11, que são os que mais acometem o câncer do colo de útero. É indicado que pessoas mais jovens tomem a vacina pelo fato de ainda não terem vida sexual ativa. Caso, o jovem já tenha iniciado a vida sexual, tenha feito o exame de citologia e não acusou nenhum tipo de doença, pode tomar a vacina.

Além da vacinação do HPV, também está são realizadas vacinações da Meningite C. A doença é caracterizada pela inflamação das meninges e pode deixar sequelas ou levar à morte se o tratamento não for iniciado prontamente.

De acordo com a responsável da Secretaria de Saúde Ana Cristina Candaten, explicar para os alunos como funciona os processos da vacinação faz com que eles despertem mais interesse em se prevenir. “Quando explicamos e conversamos com eles, obtemos maiores resultados. Na escola, nós conseguimos atingir maior parte da população do que se as pessoas forem espontaneamente para o Posto de Saúde. Além disso, enviamos um termo para que os pais possam assinar, garantindo que o jovem possa tomar a vacina”, explicou Ana.

Fotos: Gustavo Kasperbauer