Livro sobre tragédia na Kiss gera revolta em Santa Maria

A Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) divulgou nesta sexta-feira nota de repúdio à publicação do livro “Kiss: uma porta para o céu”, de autoria do escritor gaúcho Lauro Trevisan. O presidente da AVTSM, Adherbal Ferreira, criticou a narrativa de fatos “sem qualquer comprovação de terem ocorrido”.

“No auge da balada celestial, o Pai perguntou se alguém queria voltar. Dois ou três disseram que sim e foram encontrados vivos no caminhão frigorífico que transportava os corpos ao Ginásio de Esportes”, conta a página cinco da obra, exemplificou Ferreira.

O trecho destacado, segundo o assessor de imprensa da associação, Ogier Rosadok, que perdeu um filho na tragédia, causou imensa indignação entre os familiares, levantando ainda sérias dúvidas a respeito da veracidade de qualquer passagem do livro. “Não existe qualquer registro de que algum sobrevivente foi retirado do caminhão frigorífico. Esse fato levaria a crer que a pessoa foi retirada viva da boate e transportada como morta ao Centro Desportivo Municipal”, salientou Ferreira.

A entidade busca responsabilizar o autor da obra e fazê-lo explicar os textos incluídos na narrativa. “Solicita-se que Vossa Senhoria esclareça os trechos destacados e aponte eventuais culpados pela conduta criminosa narrada no livro publicado, levando ao conhecimento das autoridades competentes”, enfatiza a carta aberta da AVTSM para Trevisan.

A nota destaca também a requisição para imediata retirada de circulação de “Kiss: Uma porta para o céu”. A responsável pela publicação é a Editora e Distribuidora da Mente, com sede na rua Tuiuti, em Santa Maria.

Correio do Povo