TAPERA – AMBB preocupada com sua juventude

A Associação dos Moradores do Bairro Brasília (AMBB), de Tapera, preocupada com o consumo de álcool e drogas e também com a prostituição naquela comunidade, promoveu uma mesa redonda na manhã do último sábado, 14/04, na Escola Presidente Costa e Silva. O encontro, que foi conduzido pelo presidente da Associação e presidente do CPM da Escola, Antônio Gilmar Siqueira, o “Duio”, contou com a participação do prefeito Volmar Helmut Kuhn, do presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Roberto Moraes, o “Cané”; da promotora de Justiça, Marisaura Raber Fior; do vereador Luiz Carlos Pereira Teodoro, o “Buxa”; das secretárias municipais Regina Salvadori (Educação), Marisa de Souza Vargas (Saúde) e Miriam Visoto (Assistência Social), de conselheiras tutelares e integrantes da Secretaria Municipal de Saúde e CPM da Escola e de professores da mesma.

Na reunião, o presidente Duio e os demais moradores do bairro colocaram a situação do mesmo e sua preocupação com sua juventude. Vários relatos foram colocados aos presentes, sendo a maioria preocupante.

A promotora Marisaura Fior, ciente e preocupada com estes problemas no município, disse que eles não são só do bairro Brasília, mas do município como um todo. Aliás, eles estão presente em todos os municípios brasileiros. Segundo ela, o problema do bairro é o mesmo do centro, só que a diferença é o dinheiro que pode pagar uma clínica particular fora do município ou retirar o dependente da cidade. Já quem não tem dinheiro se obriga a procurar tratamento público expondo seu problema à sociedade.

Para ela, a preocupação com o menor acontece dos 11 aos 15 anos e quando a família não se preocupa com ele ou lhe dá a devida importância. “Não se pode desistir de um filho nunca”, disse.

Um dos moradores do bairro revelou que de cada 10 carros que vai aquele bairro em busca de drogas, 8 são do centro e que vão até lá em “carrões”. “O movimento aqui no bairro é maior à noite, quando ele fica bastante movimentado”, enfatizou.

A assistente social da SMS, Juliana Maldaner, disse que não adianta tratar o dependente, mas que é preciso prevenir o jovem o quanto antes, com informações. Ela alertou que a droga e o álcool se tornam um problema gravíssimo à pessoa, que não terá oportunidade de emprego em lugar nenhum no futuro. Segundo ela, cresce consideravelmente a dependência às drogas das mulheres em Tapera. “Não podemos controlar o dependente, mas é preciso cuidar dos jovens”, destacou.

O prefeito Volmar Kuhn e as secretárias municipais disseram conhecer o problema naquele bairro e também no município, e informaram que existem programas sociais em tapera que poderão ser colocados à disposição da comunidade em geral, em especial às crianças e aos adolescentes nas escolas e também no turno inverso.

O primeiro passo foi dado nesta reunião. Agora é saber o que os envolvidos na questão farão para garantir um futuro seguro às crianças e aos adolescentes taperenses que crescem tendo à sua volta o consumo crescente de drogas e álcool, e também na questão da prostituição que, em muitos casos, segundo falado na reunião, é vista como uma fonte de renda para a família.

O presidente Duio Siqueira disse que uma série de eventos envolvendo as famílias serão realizados no bairro, como gincana, concurso de redação, entre outros, e que no começo do próximo semestre haverá novo encontro para ver o que foi feito e programar outros novos.