Passo Fundo terá nova linha aérea para Porto Alegre

Em reunião realizada na capital, as empresas Gol e Two Flex anunciaram que realizarão o trajeto com aviões de pequeno porte

Um encontro entre autoridades políticas e empresariais, ocorrido em Porto Alegre nessa semana, discutiu o planejamento de uma expansão na aviação regional no Rio Grande do Sul. A expectativa é que a operação comece em março em, pelo menos, cinco rotas no Estado. Um dos grandes anúncios nessa reunião foi realizado pelo diretor de Relações Institucionais da Gol Linhas Aéreas, Alberto Fajerman, que solicitou a adesão da companhia ao Programa Estadual de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR RS). A expectativa é que, a partir de março, a Gol, em parceria com a empresa de taxi aéreo Two Flex, esteja operando cinco novas rotas, ligando Porto Alegre a várias cidades gaúchas, incluindo Passo Fundo.

A redação do Diário da Manhã entrou em contato com a empresa Two Flex, que informou através de sua assessoria que sua operação em Passo Fundo será de feeder (alimentadora), e que todos os voos serão organizados, comercializados e operados pela Gol. A Two Flex também informou que será utilizado em Passo Fundo uma linha de aviões modelo Cessna Grand Caravan, um avião que leva até 14 passageiros ou 1.900 kg de carga. A Empresa de táxi aéreo recebeu, em novembro de 2017, a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para fazer o transporte aéreo regular de passageiros no âmbito da aviação regional. O vereador Paulo Neckle (MDB), presidente da Comissão Especial voltada a viabilizar obras no aeroporto, revelou que esse anúncio é a resposta aos pedidos incessantes do Legislativo para movimentar o Terminal Lauro Kortz. “Em uma audiência que tivemos com a Secretaria de Transportes, em Porto Alegre, nós pedimos ao secretário, juntamente com o chefe da casa civil Eliseu Padilha, para auxiliar no trabalho de articular com empresas aéreas, de grande e pequeno porte, para que começassem a operar a partir de agora em Passo Fundo, pois hoje estamos muito carentes de linhas aéreas”.

Neckle enfatizou que a entrada da Two Flex em Passo Fundo será a primeira de muitas. “Essa empresa vai iniciar a oferecer o trajeto de Passo Fundo a Porto Alegre, e a partir disso exploraremos muito o diálogo com outas pequenas empresas para que façam essa linha à capital gaúcha, assim como outros destinos como Florianópolis, Curitiba, para aos poucos ir avançando, já que nós não estamos de braços cruzados”. O vereador também garantiu que esses voos, embora de pequeno porte, são muito procurados por pessoas que fazem viagens de negócios ou turismo. “Tem cliente para esses voos pequenos todos os dias. Hoje qualquer aeronave que vá para a capital sai com 90 a 95% das poltronas ocupadas”, defendeu.

Desenvolvimento regional
A redação também contatou a Gol, que informou por meio de nota que realiza estudos constantes para ampliar sua atuação regional em 2018, aumentando as opções já oferecidas atualmente aos clientes. Além disso, estuda a possibilidade de firmar parcerias com companhias aéreas de menor porte para realizar estas operações. Porém, a companhia esclarece que, neste momento, não há novidades sobre novos destinos regionais.

Ao final do encontro, o secretário estadual de transportes Pedro Westphalen destacou o trabalho executado pelo titular da Secretaria Nacional de Aviação Civil, Dario Lopes, que tem dado atenção especial a todos os encaminhamentos enviados pelo governo do RS. “As novas rotas vão ao encontro do objetivo do PDAR, promovendo o desenvolvimento econômico, social e turístico em todas regiões. Trabalhamos nessa integração regional desde o início do governo Sartori, junto com a Frente Parlamentar da Aviação da Assembleia Legislativa. Somos pioneiros nesse programa, continuaremos lutando e trabalhando em prol do crescimento do RS”, ressaltou o secretário.

Neckle novamente reforça que o trabalho continua: “Nós temos uma reunião agendada dia 20 em Porto Alegre, para marcarmos a data da licitação da obra do aeroporto, e também revisaremos a situação dos contratos com essas empresas, pois nós não podemos ficar esperando aqui de braços cruzados, pois é cobrando, olhando olho no olho, que a gente consegue as coisas”, concluiu.

Jornal Diário da Manhã